Eu sou louco!

Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças! (este blog está registado sob o nº 7675/2005 na IGAC - Inspecção Geral das Actividades Culturais)

A minha fotografia
Nome:
Localização: Maia, Porto, Portugal

sábado, julho 30, 2005

Um filme em Zurich

Nota prévia:
Este texto baseia-se em mais um episódio da minha viagem de curso.
É o quarto desta série.
Antes, coloquei em exibição:
“A viagem de curso” em 13 MAI 05
“As putas de Amsterdam” em 20 MAI 05
“Em Paris” em 11 JUN 05


Vindo de Genève, o autocarro com os felizardos finalistas chegou a Zurich ao fim da tarde do dia dezasseis de Março de 1972.
Fomos largados à porta do Hotel Rothus que, pudemos constatar, era o mais fraco e baratucho de todos aqueles onde pernoitamos. Por isso, também foi o único em que estava incluído o jantar. Foi a compensação feita pela agência de viagens que tratou dos alojamentos (com excepção dos da Alemanha): a Wagons-Lit Cook que, aliás, foi sempre impecável.
Ficava na zona velha da cidade mas, como já era quasi noite e nele tomaríamos a refeição, acabamos por não conhecer nada da cidade.
Aquando da habitual azáfama de retirar as malas da viatura, distribuir os quartos e neles fazer a arrumação mínima, reparamos que mesmo em frente havia um cinema que tinha em exibição um filme que, quer pelo título quer pelos cartazes, parecia ser um filme erótico.

Aqui vou recordar mais uma vez que estávamos em 1972. A política salazarista de censura no cinema era bem forte. Quantos filmes não eram pura e simplesmente proibidos? E quantos não eram truncados, muitas vezes de tal modo que o próprio enredo se tornava incompreensível? Muitos, seguramente.
Não posso deixar de vos contar uma das mais caricatas manifestações desse puritanismo saloio que vi no cinema.
Estava a presenciar um filme com a então vedeta Brigitte Bardot e, num plano em que a actriz apareceria filmada nua da cinta para cima, de frente, exibindo os seus ainda bonitos seios, de repente a metade inferior do écran aparece toda negra, só deixando ver dos ombros para cima a bela francesa.
Aliás, mostrar seios era completamente interdito nas salas de espectáculos.
Quando em vinte e oito de Setembro de 1968 Marcelo Caetano (padrinho do conhecido Marcelo Rebelo de Sousa, a quem deu o nome próprio) assumiu a presidência do Conselho de Ministros, os aspectos relativos à censura foram progressivamente reduzidos, sobretudo no que diz respeito a livros. Mas também no cinema.
Recordo aqui o primeiro filme visto em Portugal em que seios femininos eram mostrados num plano muito semelhante ao que atrás referi para a Bardot. Eu, que na altura era um frequentador mais do que assíduo das salas de cinema, fui ver a estreia de “La piscine”, um policial francês bem ao meu gosto, realizado em 1968 por Jacques Déray e interpretado por Alain Delon, Maurice Ronet, Romy Schneider e Jane Birkin.
Penso que estaríamos em 1969. Talvez 1970.
Mesmo no final da segunda parte (e recordo que havia uma primeira preenchida normalmente com desenhos animados, um jornal de actualidades, e traillers dos próximos filmes a exibir, e depois mais duas com o filme de fundo) surge o tal plano em que, pela primeira vez, vi umas mamas no cinema (as da actriz austríaca e que, por sinal, e para decepção da maioria dos espectadores à soirée que eram homens, já estavam bastante descaídas).
Logo a seguir foi o intervalo (o segundo) e não pude deixar de notar no rosto dos que vieram cá fora fumar um cigarrito e fazer um xixi uma cara diferente da habitual. E o silêncio também era bem maior que o costumeiro. Ao fim e ao cabo, acabávamos de ver um facto histórico. E os seios da Romy assim se tornaram um ícone do cinema no nosso país.
Mas filmes eróticos e pornográficos, nem pensar em vê-los. Isso ficaria para depois da revolução.

Voltemos a Zurich.
Acabado o repasto, muito de nós, rapazes e raparigas, resolvemos ir ver o tal filmezito.
E digo assim porque, de facto, era uma comédia brejeira com actos sexuais visivelmente simulados, uma linguagem desbragada (foi o que me disse no final um emigrante português que lá estava, pois eu de alemão não sei mais do que contar até dez) e uns nus femininos e masculinos. O certo é que muitas das nossas colegas não resistiram a dar uns gritinhos semi-histéricos. Mas, para todos os efeitos, foi o primeiro filme “despudorado” que vimos, pelo que não pode deixar de ser referido como um ponto importante da nossa saga através da Europa democrática e sem censura.
No final, alguns dos moços estivemos a ouvir o tal emigrante português, que era porteiro no edifício da ONU em Genève, a contar-nos histórias para adultos sobre a sua experiência na Suiça. Coisas um pouco fantasiadas, penso, mas que não deixavam de nos fazer abrir a boca de espanto, algumas vezes.
Só quem viveu os tempos da ditadura pode avaliar bem o que tudo isto poderia representar para nós.
E no dia seguinte bem cedo, como de costume, abalamos rumo a Innsbruck, na Áustria, onde passamos dois dias e duas noites estupendos, nomeadamente nas pistas de neve onde quasi todos nós andamos de “sku” pela primeira vez.

41 Comments:

Blogger heidy said...

:) Falas da censura, e acho engraçado comparar com o que temos actualmente. A grande diferença que existe entre o antes e o depois. Eu vivi o depois. Acho que a PIDe iria adorar estar aqui agora. :) Muito trabalhinho iria ter. Corta corta corta.... risca risca riscaaaaaaa.... ;p

4:32 da tarde  
Blogger pachita said...

Nasci antes do 25/04 mas quase não me lembro do 'antes'. O que sei são os relatos vivos dos meus pais, dos meus avós, dos tios e outras pessoas que, como tu, me descrevem esse ambiente de lápis azul e de bufos em cada esquina. Ainda bem que vocês, a tua geração António, fez o que fez, senão não estaríamos aqui a gozar algo que, como vocês dizem, nem sabemos o que custou a conquistar.

Mudando de assunto: como foram capazes de ir assistir a um filme sem saber alemão? Era mesmo só para ver xixa e mai nada, certo!

Só mais uma coisa: o meu post é ficção, mas o relógio é verdadeiro, existe, foi um presente e continua a ser usado...

6:35 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

o melhor da faculdade é mesmo o currículo nulo, ou seja, os intervalos, os almoços, a queima, a viagem...

abraço da leonor

6:58 da tarde  
Blogger Viuva Negra said...

Hummm isso é que foi gozar em farta, muita novidade de uma só vez hehehheh

8:02 da tarde  
Blogger heidy said...

já viste a quantidade de sexo que existe num filme actualmente? conta-se pelos dedos de uma mão, os bons filmes que aparecem nas salas de cinema. Daí eu ter dito aquilo da pide. Queria ver a selecção que iriam fazer nos dias que correm. :) Iam ficar fartos das ditas tesouradas.

9:46 da tarde  
Blogger pachita said...

eu percebi que fosse uma sessão especial...
Beijinhos, grandes de um dos teus anjos

10:22 da tarde  
Blogger pachita said...

gostei do comment aos 'meus jornais'. obrigada, kidão :)

10:29 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

ja reparaste que mudei de tactica?agora respondo no blog do meu visitante...

por isso...

alguns filmes americanos são bons. sao muito bons mesmo e estou a lembrar-me por exemplo, do "paris texas" ou do "o regresso dos herois". ha mais.

mas penso que as produções europeias são mais intelectuais, e de referir todos os realizadores que disseste.(Truffaut, Chabrol, Rommer, Lelouch, Antonioni, Monicceli).

quanto ao re do re do teu comentario, rssss

de facto assim é, tudo o que vemos num filme ou lemos num livro é a vida à volta do trabalho.

abraço da leonor

12:56 da tarde  
Blogger Estrela do mar said...

...vou de férias António...não estranhes a minha ausência...mas volto logo em Setembro...

Beijinhos.

2:06 da tarde  
Blogger wind said...

lol, tens sempre boas histórias para contar. Imagino a carinha de vocês todos a ver os seios da Rommy.lololol. beijos

3:15 da tarde  
Blogger lazuli said...

Só estranho que as maminhas da Romy estivessem já tão descaidas nessa altura. Mas que exigentes..para quem vinha dum país em ditadura, como vivíamos, vocês também...fogo..

9:05 da tarde  
Blogger Mitsou said...

Também digo: Isso é que foi gozar :) Beijocas e votos de uma óptima semana!

11:19 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

vi os recados informadores de tão manifesta consideração pelos seus amigos da blogsfera.

tanta que o leva a comprar um equipamento novo.

o tratamento por você é realmente muito chique.

mudei a foto novamente. todos se queixavam do tom amarelado.rs

ai,ai, que paciencia.

abraço da leonor

11:29 da tarde  
Anonymous betania said...

António, é interessante pensar no passado e comparar com o presente.
Nessa época qualquer "novidade" tinha um valor extraordinário. Como sempre, uma boa crónica de viagem, que se lê com interesse.
Beijinhos

11:52 da tarde  
Blogger The Woman +K(P) said...

Pois... Tinha que haver mamas!!!
;-) lolo, Agora fora de brincadeiras, eu não estava sequer em Portugal na revolução dos cravos, mas imagem que tive em Angola, para mim essa época, era a pior que tinha acontecido (era "pikena" na epoca, claro ;-)) Lá nessa altura isso eu e restante familia, tinhamos sido despojados de tudo o que ali se tinha construido e mais o se tinha levado de Portugal. Hoje entendo que toda aquela época foi sem sombra de duvida, um mal muito necessário. Não só pelo que tu escreveste mas também por muitos outros motivos. Olha por exemplo nã podia ter lá o meu bloguito por certo, havia de ter em cima o carimbo CENSURADO!!! Jinhos e um Beijo terno para ti e todos da tua geração.

12:29 da manhã  
Blogger Ana Santos said...

Olá,
Era ainda criança nos tempos da censura, mas recordo bem os avisos do meu pai com medo da Pide, pois familiares foram troturados pela Pide pelo simples facto de roubar um pouco de gasolina.
Deixa estar que aqui nos Açores mesmo já no tempo da Liberdade havia censura na RTPAçores. O Mota Amaral cortava cenas de sexo nos filmes que passavam.
E agora na nossa actualidade pareçe que esses estúpidos dos políticos estão a querer desenterrar esses tempos da censura, do facismo, mascarados de rosa.
Ana

1:03 da manhã  
Blogger Maria Odila said...

Voltando das férias e com saudades das tuas histórias. Você as conta deliciosamente bem
beijos
Maria Odila

4:27 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

és um professor que tens na escrita uma maquina do tempo que nos ensina.nela viajo melhor que nos livros da escola, para ti a minha nota é a mais alta como contador de historias, da tua historia.jinho-amcosta

8:47 da manhã  
Blogger margusta said...

É sempre muito interessante ler as tuas experiências de vida.
Todos apreendemos muito com elas.
Eu ainda era uma criança quando se deu o 25/04 e desconhcia o que se passava então.
Estas crónicas chegam a ser documentos históricos.
Beijinhos

2:43 da tarde  
Blogger margusta said...

Reparei agora que estou incluida nos teus links, muito obrigada.
Eu ainda não aprendi a linkar outros blogs, quando o fizer pretento incluir-te.
Beijinhos grandes.

3:02 da tarde  
Blogger SaltaPocinhas said...

E eu não te falo mais enquanto não acabares de contar a história da Lúcia! ;-)

6:35 da tarde  
Blogger Paula said...

Uma coisita: é fantástica a boa memória que revelas ao contar tão minuciosamente episódios passados da tua vida. Tudo me leva a crer que és daquelas pessoas que vive intensamente cada momento! O que considero uma virtude no ser humano.
Parabens, lindo. Nunca percas essa qualidade.
Beijinhos felinos.

7:58 da tarde  
Blogger Mitsou said...

És um querido. Mas é que és mesmo. Pronto, já disse e agora deixo-te um beijinho de afecto e gratidão.

1:21 da manhã  
Blogger BlueShell said...

Impecável...
e, de facto...nem todos compreenderão o valor deste texto. Épocas diferentes...

Ah...
Estive fora e parece que ninguém deu por isso…BUááá´´aá.

Beijos mil, BShell

1:22 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

não sou maria rapaz? a minha colega disse que se calhar deveria ser...rsssssssss

muito obrigado sempre pelos comentarios bonitos que me deixas.

abraço da leonor

2:58 da tarde  
Blogger Loucura said...

simplesmente fantastico (acho que estou a tornar-me repetitiva)
Beijinhos e boa semana

9:03 da tarde  
Blogger lazuli said...

Não sei por onde vou, só sei que vou por aqui contigo. Deve ser dos genes. Temos o mesmo adn. E vou-me calar senão ainda confundo a lei da gravidade com as tábuas da lei, sei lá...

11:51 da tarde  
Blogger lazuli said...

Faço questão em ser o primeiro Leave your comment no dia 3 de Agosto. Tudo a dormir, weeeeeeeeeeeeee..

12:45 da manhã  
Blogger Menina_marota said...

Olá... finalmente os commentes abrem!!
Não tenho conseguido abrir os comentários, apesar de vir aqui ler, muitas vezes... mas agora (parece-me) já ter acesso...

Um belo relato, de umas memórias fantásticas...

Gostei, como aliás gosto de ler sempre, os teus textos.

Um abraço ;)

12:37 da tarde  
Blogger Caiê said...

sabes que ainda há muito lugar dito civilizado onde a censura aos filmes é um facto? No Canadá, não há cenas de nú na tv, nem pensar! O nosso Portugal não é tão mau como pensamos... ;)

beijinho

4:40 da tarde  
Anonymous zezinho said...

Interessante e muito bem escrito este texto.
Meu caro amigo, hoje a censura apenas se faz sentir de outras formas.
As minhas desculpas pela ausência. Tenho andado a dar "caça" exactamente a uma censora!
Abraços

5:24 da tarde  
Blogger mamy said...

É por nunca ter vivido nessa censura, por nunca ter feito essas viagens, nunca ter visto um filme erótico no cinema, que gosto tanto, mas tanto de vir aqui.
É como sentir saudades do que não conheço, é possível? Consegues entender?

Beijinhos Mamy

10:25 da tarde  
Blogger margusta said...

António obrigada pelo beijinho que me deixas-te quando da partida da minha tia.
Desculpa só agradecer agora...mas vê lá tu ...não sei como fiz que fui agradecer a outro António...estava um pouco desorientada e á pouco è que dei por isso.
Beijinhos para ti.

11:01 da tarde  
Blogger mamy said...

Sou casada à pouco tempo, mas espero continuar este casamento por muitos anos, sempre com muito amor, e esta admiração pelo meu marido, talvez pelos mimos que me dá, e a serenidade, que os dez anos que nos separam lhe conferem.

Beijinhos MAmy

8:19 da manhã  
Blogger mamy said...

António, volta lá ao meu blog e escreve, o que estás a pensar, agora ficavam palavras por dizer? Era o que mais faltava, mesmo que sejam coisas menos boas.
Já sei que as relações se desgastam e coisa e tal, e que nem sempre se vive num mar de rosas, mas eu discuto muito, é mesmo do meu feitio.

Beijinhos Mamy

2:10 da tarde  
Blogger Malae said...

Amigo António! Mais uma vez um texto daqueles de prender a atenção (ando a ficar repetitiva, mas a "culpa" é tua... não há como não gostar ;D)... ainda para mais porque para mim, nascida depois do 25 de Abril, que me permite sempre mais conhecer uma realidade tão castradora". Os meus pais também me contam inumeras histórias destas. Acho que mesmo ouvindo-as vezes sem conta, é complicado conseguir imaginar viver numa sociedade assim. Mas, e por estas ditaduras terem existido e algumas ainda existirem, não gosto de dar nada por garantido. E assim, tudo se deve fazer para manter a liberdade... custa-me ver pessoas da minha idade desperdiçarem aquilo que a vossa geração tão lutou para ter!

Bela viagem de finalistas essa... invejo-te (sim, eu sei que é feio ;D)! Mas andaste ainda num passeio lindo! Só podia dar tantas recordações e memórias!

Obrigada pelas palavras deixadas na minha Ilha. Bom fim de semana. Um beijinho grande e amigo. Malae****************

5:07 da tarde  
Anonymous azul said...

Ai que saudades eu tenho de ver na tela todas as divas repletas de atributos(todos delas)!

Beijos

11:06 da manhã  
Blogger António said...

Para "azul":

Minha querida!
Ainda há telas...eh eh

Jinhos

12:56 da tarde  
Anonymous azul said...

Pescador da barca bela
Inda é tempo, foge dela...

:)

7:04 da tarde  
Blogger António said...

Para "azul":

Não fujo nada!
Não tenho medo!
Sou como o Ulisses!

Bjinhos

7:25 da tarde  
Blogger Zica Cabral said...

Eu lembro-me lindamente do filme "A Piscina" Se não me engano estava no Tivoli de Lisboa que ficava mesmo em frente da minha casa. Fomos num grupos grande e com 3 dos meus irmão mais velhos. E todos ficaram decepcionados com as maminhas da Romy Schneider....pobre rapariga já estava um cadinho tanto "passada" na idade e ainda não havia as praticas dos lifts e operações esteticas....
beijinhos
Zica

2:08 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home