Eu sou louco!

Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças! (este blog está registado sob o nº 7675/2005 na IGAC - Inspecção Geral das Actividades Culturais)

A minha fotografia
Nome:
Localização: Maia, Porto, Portugal

terça-feira, julho 26, 2005

Uma turma difícil

Tendo regressado da comissão de serviço no Ultramar (como se dizia na altura) em Outubro de 1975, e tendo terminado um mês depois o serviço militar obrigatório, vi-me com um “canudo” debaixo do braço mas sem emprego.
A situação era particularmente delicada pois estávamos no auge do gonçalvismo (que esteve em vias de provocar uma guerra civil em Portugal) e, consequentemente, as empresas fechavam às catadupas, muitos empresários fugiam para o estrangeiro e a oferta de emprego baixava.
Acresce que a procura aumentou imenso. Quer devido aos imensos militares que estavam na tropa e que, de repente, vieram engrossar as hostes de desempregados, quer devido aos incontáveis “retornados” das nossas colónias africanas.
Foi neste quadro que, três anos após ter concluído os meus estudos, estava a viver com os meus pais. É certo que tinha um bom pé-de-meia trazido da Marinha mas, com a inflação na casa dos vinte por cento, esse dinheiro desvalorizava rapidamente.
Lembro-me de quando nós, os desempregados, nos encontrávamos na baixa portuense e perguntávamos:
- Ó pá! O que é que fazes?
A resposta era, invariavelmente:
- Nada! Compro tudo feito!
Ou de uma anedota que circulava na época:
“Um jovem engenheiro sem emprego, foi oferecer os seus préstimos a um circo. O dono deste disse-lhe que só tinha uma vaga. A de funâmbulo e teria de caminhar no arame sobre uma arena com leões. O nosso jovem, valente, aceitou o desafio a troco de um pequeno salário, Mas, como não era propriamente um expert nessa actividade, logo no primeiro ensaio caiu na arena. Estarrecido, viu um dos leões aproximar-se mas, qual não é o seu espanto quando o animal lhe sussurra ao ouvido:
- Não te preocupes. Nós, os leões, também somos todos malta de engenharia!”.
Corri tudo a procurar onde ganhar dinheiro. Escrevi muitas dezenas de cartas.
Finalmente, talvez em Janeiro de 1976, arranjei umas aulas de Matemática num ano “zero” do Instituto Industrial, hoje o Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP). Mas sem qualquer vínculo.

Entretanto recebi uma comunicação do Ministério da Educação para me apresentar na Escola Industrial de Penafiel.
Era uma escola muito velhinha, que ficava no monte do Sameiro, bem perto do centro da cidade. Ao lado já estava em construção uma escola nova que seria inaugurada no ano lectivo seguinte.
Mudei logo. Tinha mais segurança de emprego. E, enquanto não aparecesse outra coisa, era trabalho. Embora nunca tivesse sido meu objectivo leccionar, era uma actividade que me dava algum prazer.
Isso aconteceu na altura das férias da Páscoa e fui substituir uma professora que dava Física ao antigo 6º ano do liceu ou equivalente (já não sei muito bem como estava organizado – ou desorganizado – o ensino na época, pelo que podem haver aqui algumas imprecisões) e que fora com o marido para o Canadá.
Daria também aulas a uns miúdos do 3º (ou 7º) ano.
Quando comecei a travar conhecimento com outros professores e lhes dizia que tinha ido substituir a Drª. Alice Pires, diziam-me invariavelmente:
- Então tens o 6º B! Estás lixado! Tem lá um grupo que é do piorio. Ninguém tem mão neles.
Comecei a ficar com algumas preocupações.
Mas quando falei com a professora de Matemática dessa turma e a vi quasi a chorar por não conseguir controlar a rapaziada, reparei no ar choninhas e absolutamente despido de autoridade que ela tinha e pensei:
- A esta até eu tinha vontade de dar tanga.
As primeiras aulas a essa turma decorreram com toda a normalidade. E refiro-me às primeiras duas ou três semanas. Não compreendia a razão de tanto alarmismo. Havia mesmo um grupo de alunos aplicados e interessados em aprender.
Uma vez, em conversa com uma professora que dava aulas de Química, a Conceição Castro, e falando sobre as minhas impressões acerca dessa turma, disse-me ela:
- Olha! Se os professores se souberem impor não há problemas.
Concordei.
Até que, numa aula teórica (não havia aulas práticas) das onze ao meio-dia, a ser dada no laboratório de Física, estava eu a escrever no quadro quando começo a ouvir um tic-tac esquisito. Voltei-me e vi o ar de riso da malta. Caminhei em direcção ao ponto donde vinha o som e deparo com um metrónomo (um daqueles aparelhos que servem para marcar o compasso da música), dentro de um armário com material para experiências, a funcionar.
Desliguei-o e disse com um tom autoritário:
- Quem ligou isto tem a dignidade de se acusar?
Claro que ninguém o fez. Após uma pausa, concluí:
- Espero que isto não volte a acontecer.
E voltei para o quadro continuando a exposição da matéria. Quando estava de novo virado para o quadro: Tic-tac…tic-tac…tic-tac…
Comecei a ferver.
Fui outra vez desligar o aparelho mas, desta vez, dirigi-me a um grupo de discentes (dos mais atrevidotes) que estava sentado junto do armário:
- Só pode ter sido um de vocês! Ninguém quer assumir o acto que praticou?
Silêncio….
Voltei para a secretária, olhei para os gajos e disse com um tom de voz mais alto que o costume:

- Meus senhores. Se isto voltar a acontecer eu dou a aula por terminada. Ouviram bem? E mais! Considero toda a matéria que deveria ter sido ensinada nesta aula como efectivamente leccionada. Entendidos?
- Sim, senhor doutor – responderam timidamente poucas vozes.
Passado um pouco eis-me, de novo, voltado para o quadro, e:
Tic-tac…tic-tac…tic-tac…
Fiz uma pausa. Poisei o giz. Assumi um ar austero e disse:
- A aula está terminada! Podem estudar a matéria até à página 112 pois é considerada como ensinada. Muito bom dia!
Arrumei as minhas coisas e saí.
Apercebi-me que havia alguma discórdia entre os alunos. Mas fui à minha vida.
Na aula seguinte tudo correu normalmente. E assim foi até ao fim do ano.
Sem querer, tinha aplicado o velho lema dos líderes:
“Dividir para reinar”.
De facto, os alunos interessados tinham-se imposto aos outros alegando que estavam ali para aprender e passar. Era rapaziada humilde e não se podiam dar ao luxo de andar a brincar. Senão iriam trabalhar mesmo sem terem completado os estudos.

Terminadas as aulas, uma tarde encontrei-me com um numeroso grupo de alunos daquela turma. Estavam a ver as notas. Cumprimentamo-nos como normalmente mas, um dos mais irreverentes, o Pinheiro, dirigiu-se a mim e disse-me:
- Tenho de lhe dar os parabéns, senhor doutor. Foi o único professor que conseguiu dominar a nossa turma.
Confesso que fiquei um bocado inchado. Mas fora assim mesmo!
Mais tarde uns colegas disseram-me que eu cometera uma ilegalidade e que, se fosse apresentada queixa contra mim, eu estaria tramado.
Só respondi:
- Então apresentem queixa e depois veremos!

Afinal, uma turma difícil nem sempre é assim tão difícil. Depende…

59 Comments:

Blogger Xuinha Foguetão said...

UUUUHHHHH!
Temos post novo!
Yupi!
:)

8:15 da tarde  
Blogger Xuinha Foguetão said...

Gostava de te ter tido como professor! :)
Ehehehehe!
Nos treinos tb tenho uns miúdos supostamente mais difíceis... são os que dão mais trabalho, mas tb são os que dificilmente esquecerei! Acho-lhes piada! Fazem-nos superar os nossos limites...
Beijinhos.

8:21 da tarde  
Blogger heidy said...

:p (tirei o adesivo) è verdade Xuinha. Tenho experiência nesse campo e vários amigos que são profs e também dizem o mesmo. Os putos são aquilo que nós os puxarmos para serem. Se lhes dermos incentivos, podem ser reis. :) E isso sabe tão bem!!! Dá gozo ver um aluno mais complicado chegar longe. Ás vezes, só precisam de saber que estamos lá por eles. Infelizmente, muitas pessoas esquecem-se desse pormenor.

Quanto aos pestinhas.... eu nunca fiz isso aos profs. Sempre me ensinaram a respeitar. Só lhas pregava, quando mereciam. E infelizmente para eles, eu tinha nome e renome na turma, para o conseguir. Malcriada não era, e sempre expliquei o porquê de fazer o que fazia, mas Às vezes, era bastante complicado....e não havia outra solução.

8:34 da tarde  
Blogger Vampirella said...

Cómico, este ano também tive um 6º B que é de bradar aos céus. Infelizmente nos dias que correm nem tudo se leva assim tão bem, e depois temos muitos pais que para além de não conferirem autoridade nenhuma ao professor ainda nos tiram a razão toda quando só tentamos educar os filhos deles.

8:37 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

É interessante (talvez um pouco triste) constatar que certas coisas não se alteraram nos últimos 30 anos: o desemprego, a colocação difícil de professores (ainda bem q sou engª), a dificuldade de comunicação entre profs e alunos... Acho q lidou mto bem com a situação e merece ter ficado orgulhoso! (Se era ilegalidade,azar!) Continue a escrever estes posts "deliciosos". (Por falar em delicioso, gostava de saber mais acerca da paixão do post anterior. Estou curiosa.)
Um abraço da Guerreira

8:55 da tarde  
Blogger pachita said...

Ah ganda prof! Assim é que é.

Agora a sério, tenho a certeza que os alunos desse ano nunca mais te esqueceram. Mesmo os mais rebeldes gostam que os professores mostrem autoridade. Afinal, o truque com os miúdos e com os adolescentes é mostrar autoridade. Sem agressividade,claro.
beijinhos!!

9:09 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

ó stor! não meta esta matéria no ponto, tá stor? não meta e a gente porta-se bem, tá stor?
----------------------------------
até há pouco tempo pensava que o facto de haver um homem atrás da secretária impunha mais respeito. engano. tive um colega que chorava água pela barba.rs
----------------------------------

bem lembrados os tempos do gonçalvismo.por isso, e por muito mais claro, os teus posts valem a pena.

abraço da leonor

9:29 da tarde  
Blogger Xuinha Foguetão said...

Eu gosto desta tasca! :)
Com os miúdos... funcionam as flexões (estas particularmente), os abdominais, os dorsais, a cadeirinha, umas voltinhas ao campo e quando há jogos não jogar na equipa deles, aliás jogar sempre na equipa adversária e mostrar-lhes que têm muito q aprender! ;)
Tenho uns posts mais antiguitos com fotos dos miúdos.
Beijos e obrigada pela marquinha.

Uma beijoca para a Heidy.

9:40 da tarde  
Blogger margusta said...

É António os adolcentes precisam que lhe imponham limites e falo como mãe.O meu filho do meio sofre de hiperactividade com défice de atenção e está neste momento no 8ºano, è uma desgraça e sou chamada constantemente á escola.
Mas no 6º e 7º ano teve uma Directora de turma muito autoritária(tipo militar) que o conseguia meter na ordem a ele e ao resto da turma conhecida como indisciplinada.E eles por íncrivel que pareça adoravam-a e ela a eles.
NO fim do ano convidou-os para um lanche em casa dela com direito a piscina , e eles levaram-lhe prendas.
Respeitinho é muito bonito.....
Fica bem.

9:52 da tarde  
Blogger margusta said...

Ah...gostei muito desse leão da tua anedota, fez-me rir...leão evoluido esse .hem

9:54 da tarde  
Blogger margusta said...

Tal era o sdesemprego........

9:56 da tarde  
Blogger mamy said...

E como afinal a miúda aqui sou eu, eu pertenci a um 6.º B.

Tomei hoje uma decisão muito séria, vou mesmo ter de deixar de vir aqui ler o teu blog, vou passá-lo para último lugar, assim que der tempo, claro.
Mais visitas só depois de escrever qq coisinha no meu.
Claro que no Gonçalvismo (bem lembrado...) eu não era nascida, mas deve ser por isso mesmo que gosto tanto de "te ler".

Beijinhos Mamy

10:00 da tarde  
Blogger Duarte said...

Eu também dei aulas de matemática, a partir de 1973. Tive no 2º ano de lecionação uma turma terrivel que tinha sido organizada quase só por repetentes.Consegui ter mão neles.
A melhor recordação que tenho dos meus alunos de matemática é referente a dois irmãos que eram "nabos" a matemática. Recuperei-os e hoje são dois excelentes engenheiros civis.

10:02 da tarde  
Blogger pachita said...

Agora, com a história do leão, lembrei-me de uma anedota que envolve um caçador e um leão mas é muito forte para escrevê-la aqui. hehehe

'adorável maluquinha'?, não pode ser só 'adorável'? Please, stor, vá lá stor... hehehe

10:09 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

O teu manicómio...hummmmmmmm.

se por enquanto for algo como "voando sobre um ninho de cucos" vai sendo interessante.rs

abraço da leonor

10:40 da tarde  
Blogger pachita said...

Exmº Senhor

Vimos por este meio informar-lhe que procedemos ao envio da anedota do caçador e do leão.

Sem outro assunto de momento, subscrevemo-nos com consideração

O Administrador
'adorável maluquinha'

11:16 da tarde  
Anonymous betania said...

António, mas afinal, além de cronista, és o homem dos sete instrumentos! Gosto mesmo do jeito
como narras as tuas histórias.
Beijinhos

11:26 da tarde  
Blogger heidy said...

Antes de mais, bigado pela beijoka xuinha e mando de volta (este blog até dá para isto). :)

Sabem o que me disseram amigos meus? que os alunos sentem falta da presença dos pais. Podem ter tudo. Mas falta-lhes o mais importante. O tal NÃO, que na grande maioria das vezes, lhes dá a sensação que alguém se importa com eles. E transportam essa necessidade para a escola. Se existir alguém que lhes diga isso, mas que lhes explique o porquê, pode ganhar um "excelente engº. :)

Xuinha já te vou cuscar

11:30 da tarde  
Blogger {-Sutra-} said...

Deveríamos ter - ou ter tido, no meu caso - todos, professores assim. :-)

E as tuas crónicas são uma leitura muito agradável. :-)

Beijo doce

11:51 da tarde  
Blogger The Woman +K(P) said...

Bom António, eu experiências dessas nunca tive, mas tive que aprender a dominar as "panteras" durante uns anos, e sozinha, antes de me aparecer o meu "Caranguejo", e digo-te não é pêro doce... Um dia apanhei o meu mais velho a pegar-me no carro, á noite, e as escondidas... Bem depois de ter descoberto onde ele guardava a chaves duplicado(debaixo do colchão) deixei-as estar para o apanhar em flagra. Dita noite, já estava eu em pijama, lá veio ele ter comigo e diz-me vou sair mama, venho já. ok saiu, chaves de grilo, e cá a menina rapidamente se vestiu, chegou à garagem antes dele, enfiou-se entre o banco traseiro e o da frente, bem escondidinha, e passados uns segundos lá me chega o "magano" como sendo rei e senhor daquela m... toda, enfia-se no carro, Cd a tocar em alto som, chaves na ignição, e ala que se faz tarde... Bom aqui a nina, caiu-lhe tudo... Soltei um berro daqueles de estalar o verniz, o rapaz ia ficando gago ao ver-me sair da parte traseira do carro, e sai do carro, dizendo-lhe: Em primeiro lugar, ficas a saber que nunca se entra num carro sem verificar se o mesmo está vazio, sendo em garagem particular, colectiva ou parque de estacionamento, em segundo lugar, vais pra casa que eu quero ter uma conversa contigo! Bom o resto tu já podes adivinhar mais ao menos ;-) mas isto vem a propósito que realmente por vezes se for preciso ir á lei da bala (salvo seja), que seja... O importante e mostrar quem manda naquele momento, para bem de todos. Jinhos

12:43 da manhã  
Blogger Estrela do mar said...

...hoje há festa na CLAVE...se puderes aparece...

Beijos.

1:07 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Antonio se tivesse tido um professor como tu além da "chepa" (lembras-te? hoje não andaria a estudar à noite.
como já me habituaste. está uma história bem contada e tb muito bem situada no tempo o que poucos conseguem faze-lo.parabéns-amcosta

8:47 da manhã  
Blogger António said...

Para Ana Maria Costa:

Mais uma vez aqui apareces para me fazer corar de tantos elogios.
És uma querida.
Beijinhos para ti

9:03 da manhã  
Blogger wind said...

eheheh, soubeste dar a volta muito bem:) beijos

10:43 da manhã  
Blogger Vera Cymbron said...

Ah pois é...nem tudo o que parece é...portanto nada como dar o beneficio da dúvida.
Jinhos...obrigada pelas palavras simpáticas...

11:31 da manhã  
Blogger Bárbara Vale-Frias said...

Às vezes, há que tomar decisões difíceis e ser firme nelas. Se os miúdos vislumbram alguma ponta solta de hesitação nas nossas atitudes, puxam por ela até nos fazerem cair.

No primeiro ano que dei aulas, tinha apenas 21 anos e ainda estava na faculdade. calharam-me 3 turmas, 2 de 10º ano (Práticas laboratoriais de Química) e 1 de 12º ano (Química).

Esta última era uma turma da área do Desporto, composta essencialmente por rapazes, todos muito mais altos do que eu e alguns federados. Escusado será dizer que foi um ano difícil... Eles não sabiam nada de Química nem queriam saber. Dos 20 e tal, uma boa parte apercebeu-se tardiamente de que não estava a trabalhar e anulou a matrícula. Acabei por passar apenas 6 elementos que se auto-distanciaram dos outros, entre eles dois alunos que tiveram as melhores notas da escola nos exames finais desse ano. Um entrou em Medicina, outro em Matemática e este, hoje, já é assistente universitário.

Nem me quero lembrar muito desse ano em que criei o meu "calo" de professora. Ainda hoje penso que se consegui sobreviver àquela, sobrevivo a qualquer outra ;)

Contudo, a experiência ensinou-me que não é só importante agarrar a meia dúzia de alunos melhores e torná-los excelentes. Se fosse hoje, talvez dividisse a minha preocupação entre isso e cativar também muitos dos outros. Mas pronto... nada de lamentações, que a vida ensina e perdoa ;)

11:48 da manhã  
Blogger pachita said...

Torcipescoço, eu dou-te o torcipescoço. hehehe
És agente da Al Qaeda! Vá, passa para cá os documentos e, já agora, os cartões multibanco e os códigos. hihihihi

2:16 da tarde  
Anonymous Jamour said...

Relaxe ; Boas!!! Vim te convidar para conheceres o meu blog e me ajudares apagar as velas. O meu blog faz hoje um ano. Há bolos e champanhe. Paz e amor!!!

2:19 da tarde  
Blogger pachita said...

Stor: é favor dirigir-se ao blog da conspiração, perdão, da Heidy para ler os últimos comments. hihihihihhihi

2:38 da tarde  
Blogger pachita said...

xiii, já vou pagar multa por pôr tantos comment´s (desculpa, stor), mas é só para dizer que o comment da Perfect Woman merecia um post. Deve ter sido o máximo pregar um susto desses ao filho hehehe

2:44 da tarde  
Blogger Laura Lara said...

Adorei a narrativa. Autoridade, disciplina, respeito - palavras tão esquecidas...
Beijinhos

2:57 da tarde  
Blogger Xuinha Foguetão said...

Toni,
tu com essa barbicha vais-te sentir em casa no Tuareg! :)
Episódio a não perder!
Poderás comprovar se as meninas da dança do ventre são mesmo mulheres-bomba ou n.
Eu confesso que já lá vi e fiquei um bocadinho desiludida... :(
Mas uns amigos foram a um bar árabe no Cais de Gaia e vieram mais satisfeitinhos!
Ehehehehe!

Beijos.

3:00 da tarde  
Blogger heidy said...

com que então "vis conspiradoras...." e coisa e tal... bem meninas do trio odemira... só a parte das pragas. já merecia um castigo. :) ai toni toni..eu benzia-me. :) ia para agarrado aos postes com medo. :) oh ohhhhhhh
bejokas

3:40 da tarde  
Blogger margusta said...

Oh António essa ideia da peruca é genial....eheheheh...quem sabe se estiveres em dificuldades te ajudam a mudar os pneus.
Obrigada pela visita.
Beijinhos.

4:05 da tarde  
Blogger heidy said...

Ajudar a mudar pneus? hum.... eu sei o que se fazia aos mauzões dos profs no final de ano (apesar de não achar muita piada a isso). Alguém sabe de mecânica? Xuinha?pachita? toca a tirar o ar dos pneus do sor prof... e depois roubemos a bomba! :) Hi HI Hi, já tou a imaginar o sor engenheiro a enche-los tipo balão... (confexa sou mesmo má)

jinhus
até logo ou até amanhã

7:58 da tarde  
Anonymous guevara said...

com que então queres bater recorde de comentários?

Impossível, tinhas q ser o Murcon!

beijo...

12:23 da manhã  
Blogger lazuli said...

Com os teus dotes (intelectuais, entenda-se) serias um esplêndido professor. E foste. E continuas a ser. Porque nos encantas com as tuas histórias, e contigo se aprende..com um sorriso. Um beijo, e até já**

1:08 da manhã  
Blogger heidy said...

bom diaaaaaaaaaaaaa! Ultimo dia de trabalho antes das merecidas férias. Custa a passar, mas amanhã começa a boa vida.
BEijokas e te jai

9:25 da manhã  
Blogger Xuinha Foguetão said...

Bom dia!!!!
Está quase...
Só tens de nos aturar mais este dia!
Beijos.

10:16 da manhã  
Blogger kapa said...

Acho que já tinha passado por aqui. Gostei deste seu post. Actualmente eu sei que é dificil ter atitudes destas, pois existem logo pais que estão do lado dos filhos sem se preocuparem em analizar a questão e ver de onde está a razão.
Eu já assisti a situações destas na reunião de pais da escola onde o meu filho anda.

Gosto de ler as suas recordações, pois temos algum em comum, mas em períodos diferentes: o Alfeite.

Parabéns, e continue com os seus relatos

10:30 da manhã  
Blogger Xuinha Foguetão said...

Mas eu não...
A partir de sexta, não sei se voltarei cá tão cedo. Talvez dia 22 de Agosto!
Pronto! Não fiques triste!
Vá lá! Anima-te! A heidy e a pachita vão saber dar conta do trabalho!
Ehehehehehe!
Beijocas.

10:32 da manhã  
Blogger heidy said...

Olarecas se vamos. :) O trio pode ficar em stand by, mas...o espirito continua....
:p Não percam os episódios dos próximos capítulos.

11:09 da manhã  
Blogger maresia said...

Li até ao fim e encontrei muitos pontos de apoio que também uso. Mas a única coisa que vou comentar é: ao ler os primeiros parágrafos, fiquei totalmente convencida que farias uma analogia ao ano de 2005. Afinal, mudam-se os tempos, mas não se mudam as condições.

11:45 da manhã  
Blogger maresia said...

ah! paixoneta?? nem pensar! é uma paixão enorme e constante pela capacidade em acreditar nas inúmeras possibilidades que a vida nos dá! uma mensagem em branco, é uma janela para o infinito!

11:48 da manhã  
Blogger heidy said...

E que tal "conversas cruzadas"? Foi assim que tudo começou. :)

12:50 da tarde  
Blogger pachita said...

conversas cruzadas também é porreiro. acho que qualquer nome sem a menção 4 é melhor. Porque algum dia pode entrar mais alguém ou sair alguém e depois fica ali o 4 já sem fazer sentido. Também pode ser linhas cruzadas, central telefónica do manicómio, blog de malucos, etc, etc.

12:56 da tarde  
Blogger Xuinha Foguetão said...

Eu gostei de conversas cruzadas!

Bem... está na horinha!
Vou cortar o cabelo.
Inté!
Beijos.

12:59 da tarde  
Blogger pachita said...

voto nas conversas cruzadas. Foi assim que começou esta salganhada. E convém criar o blog rápido senão espantamos os visitantes dos respectivos blogs que estão a ficar 'loucos' com estas conversas
Beijinhos

1:31 da tarde  
Blogger Mitsou said...

Boa tarde, setôr. Já me marcou uma data de faltas, não? Prometo dedicar-me à leitura da matéria dada. Beijos grandes :)

1:35 da tarde  
Blogger pachita said...

como subtítulo, podemos pôr o it's a mad, mad world. Assim juntamos a contribuição do António

1:38 da tarde  
Blogger margusta said...

Tens razão António essas malvadinhas são adoráveis...dão-te cabo da cabeça mas tu gostas.
Ontem à noite divirti-me á brava a cuscar tudo...com que então vestido com uma gabardina aí no canto de um blog a espiar a conversa das meninas ihihihih.
Divertidissimo...eu vou continuar no meu canto sempre á espreita..estou a adorar.
Beijinhos para ti e as tuas malvadinhas.

2:36 da tarde  
Blogger Malae said...

Amigo António! Mas que sorte a desses alunos... eu cá ia gostar muito de te ter como professor... mesmo os números não sendo a minha àrea favorita! Acho que foi mesmo a maneira ideal de resolver o assunto, só assim se ganha o respeito dos alunos menos disciplinados. Pertenci no meu 5º ano de escolaridade a uma turma com um comportamento do piorio. Tinha um colega que entrava para as aulas pelas janelas... mas a verdade é que havia professores que ele respeitava. Aqueles que souberam realmente chegar a ele. Mas acredito que nem sempre seja fácil... profissão complicada esta em que muitas vezes os professores subsituem os pais. Nada que agradecer os elogios, amigo! São mais que merecidos. Acho que é impossível não ler um texto num só fôlego, visualizando todos os pormenores. Parece que te estou a ver furioso em direcção ao metrónomo :) Resto de boa semana. E um beijinho grande e amigo. Malae*************

4:12 da tarde  
Blogger Caiê said...

Ah pois... À maior parte das turmas "difíceis", dá-se-lhes a volta... Tudo depende do profe e do modo como se entrosa com os alunos.

4:50 da tarde  
Blogger Caiê said...

Faltou o beijinho! ;)

4:51 da tarde  
Blogger heidy said...

oh toni...andas a dizer bem de nós ou é impressão minha? :p apanhado em flagra...
beijokas magusta e obrigado pelo apoio durante a tarde

6:49 da tarde  
Blogger heidy said...

Bom diaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!

9:12 da manhã  
Anonymous nora borges said...

Olá, antônio. você tem tantos comentários que nem dá para acompanhar e ler a todos.
gostei da história. também fui professora de adolescentas uma época e depois de adultos pós graduados. é o mesmo! Grupinho difícil a gente sempre encontra.
gostie também da história das "cartas".
Besos.

7:00 da tarde  
Blogger heidy said...

Bom diaaaaaaaaa! Oh pa mim já acordada. :p

10:27 da manhã  
Blogger Paula said...

De facto, há turmas difíceis....
Lembro-me quando estava no meu 10ºano em Electroitecnia e era a única rapariga entre 32 rapazes... coitada da professora de inglês, era a que sofria mais! Mas tu contaste uma boa estratégia! É assim mesmo! Quando umprofessor se revela vulnerável, os alunos ainda pisam mais e ele está a cavar a própria sepultura! Se nós virarmos a mesa e jogarmos com as armas que temos, eles percebem quem manda ali e ponto final!
Eu tb sou formadora e já dei aulas a adultos e crianças... e sinceramente, há adultos mais desrespeitosos e malcriados que putos. Eu também não me chateava muito... hehehe... cá tinha as minhas formas de os pôr na linha! Depois pareciam cordeiros!
As palavras são armas poderosas, tal como as atitudes eposturas! Só é preciso tê-las no momento certo...e pronto!Tá resolvido oproblema.
Muito bem, caro colega! Aprovado!
Jocas da tareca

10:48 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home