Eu sou louco!

Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças! (este blog está registado sob o nº 7675/2005 na IGAC - Inspecção Geral das Actividades Culturais)

A minha fotografia
Nome:
Localização: Maia, Porto, Portugal

quarta-feira, agosto 10, 2005

No campo de trabalhos

A narrativa que vos vou fazer é uma continuação daquela que publiquei em três de Julho deste ano com o título de “Uma noite em Londres”.

Nos primeiros dias de Agosto de 1972, com 23 anos e nove contos de rei no bolso (dinheiro emprestado pelo meu pai para fazer face a eventuais despesas não previstas), uma mala pesada e a cabeça carregada de imaginação, voei para Londres onde passei uma noite.
Na manhã seguinte, e num dia que não consta dos meus registos, infelizmente, pois esta necessidade de me localizar no tempo e no espaço é quasi doentia, dirigi-me, de táxi, do hotelzinho tipo asilo para indigentes onde pernoitara, para a Liverpool Stress Station onde apanhei o comboio para March Station, duas horas afastada, já no Cambridgeshire.
Lá nos esperava (a mim e a muitos outros jovens de todo o mundo) um período de vinte e dois dias de trabalho no Friday Bridge Agricultural Camp, perto da cidadezinha de Wisbech, uns duzentos quilómetros para norte de Londres.
Durante a viagem travei conhecimento com uns portugueses e espanhóis, que viriam a ser meus parceiros habituais durante todo o período nesse antigo campo de concentração da segunda guerra mundial. Sim, porque os aliados também faziam prisioneiros e tinham de os meter em algum sítio.
Chegados a March, estava à nossa espera um autocarro que fez várias viagens da estação para o campo para transportar os “trabalhadores”. E uso esta palavra porque se nós, rapaziada jovem, encarava aquilo como um campo de férias onde se podia trabalhar e ganhar algum dinheiro, os responsáveis do Friday Bridge encaravam-nos como mão-de-obra em stock para suprir as necessidades da agricultura e indústria agrícola locais.
Uma vez no campo, deram-nos um folheto explicativo e uma prelecção.
Fiquei logo a saber que tínhamos de pagar uma série de coisas. Não gostei!
Além da zona de refeitórios, bar e a enorme sala de convívio, tudo no edifício central, velho mas restaurado, havia a vasta zona dos dormitórios (que era constituída por bangalôs). Uma parte para rapazes e outra para raparigas, separadas por uma rede de arame. Mas rapidamente os mais safados descobriram algumas passagens clandestinas através da cerca. Havia um número elevado de bangalôs (pois os utentes eram duzentos e tal, se a memória não me atraiçoa) e cada um deles tinha umas doze pequenas e desconfortáveis camas. Nada de armários. Umas prateleiras, uma pequena caixa para guardar objectos, uma cadeira para cada um. A roupa ficava dentro da mala ou a arejar na cadeira, sobre a cama ou em cima da bagagem. Luz directa quasi não havia e a indirecta chegava para ler um livro, mas de letras bem gordinhas.
Fui colocado num deles juntamente com alguns portugueses, mas também com os espanhóis do comboio e outros tipos de diferentes países.
No campo havia predominância de italianos. O raio dos tipos falavam alto e de forma arrogante e faziam uma tal barulheira que, rapidamente, se tornaram os mais detestados. Uma vez, um dos mais parlapatões irritou de tal modo um pacato e gigantesco alemão que este lhe deu um murro na trombeta que o fanfarrão voou, como nos filme. Delirante!
Mas havia gente de imensos países. Da Europa, principalmente, mesmo do leste europeu que ainda estava sob o jugo soviético.
Orientais também. Japoneses, claro, mas eram poucos.
Também brasileiros e de outros países da América Latina. Não me posso esquecer de uma bela morena argentina que tenha o interessante hábito de, durante a noite, escapulir-se para a zona do dormitório dos homens onde metia a cabecita debaixo da roupa da cama dos moços e oralisava um tratamento anti-stress.
Entretanto, foi lido e afixado o nome dos “operários” que iriam trabalhar no dia seguinte.
Não havia trabalho para todos, diariamente, por isso era preciso ter sorte ou engraxar os responsáveis do campo. Tive sorte. Chamaram logo o Mr. Dias (pronunciaram “daias” tendo eu reclamado, em vão, que era “dias”).
Lidas as instruções sobre o trabalho do dia seguinte, fomos jantar uma comida horrorosa feita à base de vegetais.
Depois, foi a altura de procurar uma miúda para meter conversa e ver o que dava. E não é que estavam já todas engatadas? Havia uma inglesa loira, gorda e com os dentes estragados que me fazia uns olhinhos, mas não me atraía muito e continuava esperançado em arranjar uma mais jeitosa. Mas essa noite, como as outras, acabei-a a beber uns copos e a conversar com a malta do costume, a quem se juntaria um grupo de três portuguesas.
Na manhã seguinte, bem cedo, lá fui para uma fábrica de enlatados vegetais (nomeadamente favas e ervilhas). Fui colocado junto de um tapete rolante que transportava esses vegetais ainda quentes e fumegantes da cozedura que haviam sofrido previamente em grandes panelões, tendo a tarefa de retirar com a mão os que tivessem um aspecto mais feio ou apodrecido. Coisa simples. Depois andei a transportar de um lado para outro uns bidões de ferro, mas vazios. Aquilo estava a correr bem! Perguntaram quem queria ficar a fazer horas extras. Voluntarizei-me.
Em suma: trabalhei doze horas mas ganhei uma boa maquia em libras.
E qual não é a minha surpresa quando, ao chegar ao campo, extenuado e cheio de sono, me dizem que estava de novo convocado para o dia seguinte. E para a mesma fábrica. Fui logo dormir.
De manhã, bem cedo, tomamos o pequeno almoço e fomos transportados para o local de trabalho.
Mas desta vez não tive tanta sorte:
Os “supervisors”, que podemos traduzir por encarregados (prefiro esta designação à de supervisores) perante as tropas voluntárias, começaram a chamar com um dedo (naquele conhecido movimento repetitivo em que o indicador se dobra parecendo um anzol e se estica, repetidamente) a rapaziada – moças incluídas, claro – para as mais diversas tarefas. E não me ligavam nada.
Finalmente fizeram-me sinal e um dos mandões levou-me para cima de um palanque localizado mesmo no início de um dos tapetes rolantes de que já falei atrás. Deram-me uma pá e fiquei à espera.
Passados uns minutos, colocaram ao lado do tableau onde eu aguardava, um enorme penelão cheio de favas fumegante. Tive de tirar os óculos pois ficaram, de imediato, embaciados.
E veio a ordem: alimentar, à pazada, o tapete com favas. Mas tinha de ser rápido para que a cobertura da tela transportadora pelas favas fosse contínua.
Ora reparem bem! Foram escolher para o trabalho mais pesado (era necessária uma força de braços muito grande para bem cumprir a tarefa) um dos mais baixos e leves do grupo.
Resultado?
Durante uns minutos a tarefa foi cumprida. Mas as forças foram faltando e cada vez era maior o intervalo entre as descargas das sementes. Os “supervisors” bem protestavam comigo, mas o resultado era cada vez pior. Cheguei ao limite com pequenas montinhos espaçados de uns dois metros.
Os chefes vociferavam mas, com o barulho, não percebia nada. Até que tomei uma decisão. Desci do palanque e disse:
- I wanna go away!
E tentei fazer-lhes ver que havendo uns “operários” com um corpanzil enorme, me deviam colocar noutra actividade. E não é que os pataratas disseram que não? Mandaram-me descansar e comer qualquer coisa para recuperar energias, os burros. Comi uma das horrorosas sandes de tomate e alface que trouxera do campo. Nunca gostei nem gosto de sandes de vegetais.
Ao fim de uns minutos puseram-me outra vez em cima do palanque. Nem três minutos lá fiquei.
Fui despedido!
Pagaram-me o tempo que lá tinha estado, uma ninharia, apanhei uma boleia na estrada e regressei ao campo onde finalmente dormi uma boa soneca.
E como os dias foram passando sem ser novamente convocado para trabalhar, juntamente com mais um ou dois ou três portugueses (ou os que quisessem alinhar), fomos percorrendo a região e as cidadezinhas à boleia.
Wisbech foi onde nos deslocamos mais vezes. Também era a mais próxima do campo e tinha uns “pubs” muito engraçados e com uma boa frequência. March, Hunstanton, Harwich e Peterborough foram outros dos destinos onde eu fui gastando a reserva de dinheiro que o meu pai me emprestara.
As noites eram passadas em cavaqueiras ou guitarradas bem divertidas, com os portugueses e alguns espanhóis. A malta do costume, afinal. E assim não fui praticando o inglês que era uma das finalidades desta minha permanência no Reino Unido.
Finalmente, ao fim de mais de uma semana sem ser escalado para o exterior, apareceu de novo o meu nome na lista dos “trabalhadores” escolhidos.
Desta vez o local era um pomar de ameixieiras.
A tarefa, trepar às árvores e encher um enorme cesto de vime com ameixas em bom estado de conservação. Mas totalmente cheio. Depois devíamos regressar ao local onde estavam os mandões, a colheita era pesada, despejada nuns camiões e partíamos novamente com o cesto já vazio.
E lá fui eu feito capuchinho vermelho de cestinha na mão até uma árvore. Pedi emprestado um escadote, fui enchendo o recipiente, mudei de árvore, mais ameixas lá para dentro e, pronto. Tudo cheio!
Quando tentei pegar no cesto para o levar à pesagem, nada! Não tinha força para o sustentar.
Pedi ajuda a alguns tipos mas a solidariedade não funcionou.
Resolvi, então retirar parte da carga. Quando verifiquei que já tinha músculo para o transportar, lá fui eu.
Chegado à pesagem, os encarregados viram o cesto meio vazio (eu via-o meio cheio) e mandaram-me para trás enchê-lo.
Voltei ao mesmo local! Novamente as ameixas para dentro e mais pedidos de ajuda, mas sem resultado.
Acabei por deixar cesto e fruta e fui-me embora.
Pelo menos desta vez não fui despedido. Antecipei-me!
E os dias continuaram como tinham sido até ali. Boa vida, umas passeatas e as divertidas noites de música e palavras.
Poucos dias antes de me vir embora, fui trabalhar para a fábrica dos enlatados. Dessa vez tudo correu bem e ganhei algum dinheirinho, que bom jeito dava pois as reservas estavam a desaparecer mais depressa do que eu desejaria.
Ao fim dos vinte e dois dias programados, fiz a viagem de regresso a Londres. Ainda por lá andei três dias, acompanhado por um dos patrícios do campo, até voar para o Porto.
Depois da chegada, dos beijos, dos abraços, das lágrimas da mamã, das perguntas e de tudo o mais que é habitual nestas ocasiões, interrogou-me o meu pai:
- Chegaste a usar algum do dinheiro que te emprestei?
- Gastei-o todo – respondi.
- Gastaste os nove contos todos?
- Sobraram uns trocos.
- Nove contos? Isso é muito dinheiro! – cogitou o meu pai com cara de chateado.
E rematou:
- Pronto, está bem! Está dada a prenda de formatura!
Lixei-me!

33 Comments:

Blogger Vampirella said...

Mas que bela aventura...
Só não te consigo ver como Capuchinho Vermelho... a não ser que não tivesses barbicha!!!LOL

1:16 da manhã  
Blogger Leonoretta said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

8:59 da manhã  
Blogger Leonoretta said...

interessante a explicação feita de um modo absolutamente académico de práticas um tanto ou quanto extra curriculares.

abraço da leonor

enganei-me na escrita de uma palavra por isso apaguei o comentário anteiror. sorry.

9:01 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

tens mesmo que ser escritor essa vida de boemisseee-ai!ai!
antonio fiquei deliciada com o teu texto-muito divertido-hihihi
www.amcosta.blogs.sapo.pt

9:22 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

antonio tinhas mesmo que ser escritor essa vida de boemisseee.
diverti-me muito com o teu texto-aquela dos oculos embaciados- demais...hihihi imaginei-te sabes pitosga e aquela do cesto cheio para ti e para eles o cesto vazio, isso dá pano para mangas-fantastico migo-vou ter saudades de te ler nas minhas férias!
www.amcosta.blogs.sapo.pt

9:28 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Antonio tambem estou pitosga ou os oculos embaciados -hihihi postei duas vezes, com esta faz três, so para te dizer que a tua sina é seres escritor-hahaha-jinhos
www.amcosta.blogs.sapo.pt

9:30 da manhã  
Blogger pachita said...

belas viagens, sim senhor. Mesmo com os trabalhos forçados e todas as peripécias, deve ter sido formidável.

O chato foi a prenda de formatura! hehehe

Mas olha que 9 contitos nessa altura era um dinheirão!

12:35 da tarde  
Blogger {-Sutra-} said...

E quando é que editas um livro com as tuas memórias? Memórias de um louco! :-)
As tuas aventuras são óptimas :-)

Beijo doce

1:36 da tarde  
Blogger pachita said...

Não sou em que puxo as conversas para o meu blog.
A heidy é que anda a conversar no dela, depois passa para o meu, volta para o dela e vai ao da margusta, não sem antes passar pelo 'conversas cruzadas'.

Pelo menos aqui não tem vindo.

Respeitinho é bonito. hehehe

beijinhos

Olha, empresta aí 9 contitos hehehe

2:19 da tarde  
Blogger wind said...

ehehehh, mais uma boa história. Goatava de te ver a pegar nas coisas e a não conseguires:) Acho que me desatava a rir. lololol. beijos

3:01 da tarde  
Anonymous Perfect Woman said...

Mas que belo D. Juan que tu me saíste, António lolo... Cada vez gosto mais de vir até aqui porque, independentemente, do assunto retractado, a tua sensibilidade é aguçadissíma e isso transcende qualquer um menos adepto de leituras longas... é como diz o outro, entro e prendo-me ao monitor ;-) jinhos fofinhos

3:16 da tarde  
Blogger margusta said...

Olá António
Mais uma das tuas deliciosas histórias.....Divertiste-te á brava...pena que tenhas ficado sem a prenda de formatura....
Deixa lá...de qualquer modo acabou por ser uma prenda...pois aproveitas-te bem o tempo por lá.
Beijinhos.

4:04 da tarde  
Blogger CP said...

Fantástico!

5:11 da tarde  
Blogger margusta said...

Hello António!
Tanhks for a comment....about my hair....You now...all it´s possible
my dear friend...
A sweet kiss

Sine - blond girl

5:56 da tarde  
Blogger Malae said...

Amigo!!!!!! Passei para deixar um beijinho! O meu pc avariou e estou aqui num daqueles posts públicos. E o tempo não é muito. Espero para a semana já poder retribuir como deve ser a tua simpática visita. Beijocas grandes e amigas desta lisboeta que vai aproveitar este fim de semana para ir ao Porto. :))) Malae*****************

8:08 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Mas que histórias de vida, mas que riqueza. Porem vindo de onde vem, nada me espanta! Ingleses nem vê-los, mas isso não interessa nada! Vim aqui com alguma curiosidade e deliciei-me com as histórias...mas prazer com uma rapariguita...nada não é! As portuguesas são melhores, afinal o que é nacional é bommmmmmmmmmmmm...Até Alexia - http://Alguemmeexplica.blogs.sapo.pt

8:38 da tarde  
Blogger Vera Cymbron said...

Mas que grande texto!
Jinhos...está muito bem contado sim senhor... nem sempre as narrativas conseguem cativar-me.

1:33 da tarde  
Blogger margusta said...

António passei por aqui para te agradecer as palavras carinhosas que me deixas-te.
Bijinho amigo.

11:12 da tarde  
Blogger heloisa said...

Ca' estou eu, com muita pena de nao ter vindo mais cedo! a primeira parte da viagem a Londres, ja' eu tinha lido anteriormente e... ai' vou eu para a segunda:Olhinhos bem colados nas letrinhas (vejo muito mal e... tambem se me embaciam os olhos, mas e' das Lagrimas de riso!...), para nao perder 2pitada"!!!!!
Bom,comecei a SORRIR acabei a gargalhada!_O ANTONIO e' um *Contador de Historias*, por excelencia!!!!!
Apetecia-me destacar varios pontos, muito em particular aqueles que me despertaram as primeiras lagrimas de riso e, ao mesmo tempo de ternura!_O que sofre um JOVEM para aprender Ingles e ganhar uns TROCOS e... chega a casa SEM TROCOS e... COM O MESMO (ou PIOR!?...) INGLES!!!!!
Bom, mas sempre deixo AQUI este pedacito de envolvente narrativa:

"Depois da chegada, dos beijos, dos abraços, das lágrimas da mamã, das perguntas e de tudo o mais que é habitual nestas ocasiões, interrogou-me o meu pai:
- Chegaste a usar algum do dinheiro que te emprestei?
- Gastei-o todo – respondi.
- Gastaste os nove contos todos?
- Sobraram uns trocos.
- Nove contos? Isso é muito dinheiro! – cogitou o meu pai com cara de chateado.
E rematou:
- Pronto, está bem! Está dada a prenda de formatura!
Lixei-me!"
***************************EXTRAORDINARIO!...
_Mas sabe, trinta anos volvidos, ainda existe esse TRABALHO DE "ESCRAVO", mas nao para jovens mancebos, mas para pais de familia_E MAES_!... de quando em vez, la' se le no jornal mais umas calamidades praticadas sobre os TRABALHADORES!!!!!
E, o curioso, e' que sempre tem que PAGAR mais do que tem para RECEBER!!!!!!!!!
_FIQUE BEM ANTONIO!
SAUDE E FELICIDADE!
Heloisa B.P.
*****************

10:01 da tarde  
Blogger Caiê said...

Ah, que belo capuchinho me saíste... Parece-me é que não contaste tudo tudo sobre o Lobo Mau... ;)

10:58 da tarde  
Blogger Bárbara Vale-Frias said...

VOLTEI!!!!!!!! E como é bom chegar a casa :)

Agora tenho de arranjar tempo para a leitura dos blogs ;)

Bjs, António Amigo!

12:52 da manhã  
Blogger lazuli said...

Mister Daias, foi um tempo bem passado. É deliciosa a tua descrição da viagem, desde os "traços gerais" até aos pormenores. Já não te lia há 3 dias, portanto imagina a sofreguidão!:)) Um beijo da tua prima sempre presente.

2:40 da manhã  
Anonymous Perfect Woman said...

Oh meu caro António ;-) eu inda ñ tou bem de férias... Quer dizer tou quase, digamos que tou no Pré-Férias lololo. Vais ao concerto?
Jinhos

8:15 da tarde  
Anonymous GR said...

Mais uma folha lida, neste livro de “Histórias, de um jovem Engº”!
Qual será a próxima?

Como sempre os meus parabéns!

GR

3:46 da tarde  
Blogger António said...

Para GR:

Obrigado pelo estimulante comentário.
Como muitas das pessoas que habitualmente comentam os meus textos estão de férias, vou postar com menor frequência.
Mas já tenho um escrito e pronto a servir...eh eh
Abraço

4:53 da tarde  
Blogger Heloisa B.P said...

RELEIO!_ESTE E ALGUNS DOS OUTROS (CONTOS!)!!!!
Grata pela visita!
Deixei por la' pequena mensagem!
BOM DOMINGO (RESTO!) e BOA SEMANA, de trabalho ou, de ferias, se for o caso!!!!!!!!
Abraco.
Heloisa B.P.
****************

7:56 da tarde  
Blogger lazuli said...

respondendo-te aqui: achas? mas foi por acaso. Ali não dá para grandes alardes. É mais pão pão queijo queijo:) Um beijo!

4:53 da tarde  
Blogger Caiê said...

Onde está? Pronto a servir e nunca mais chega... ;)

6:10 da tarde  
Anonymous azul said...

Olha, às favas com eles.O que vale é que o papá era cá um homem de reservas e pêras( desculpa lá tantos legumes e fruta)

10:53 da manhã  
Blogger António said...

Para "azul":

O papá não tinha tantas reserva assim...e depois das minhas extravagâncias, ainda ficou com menos...eh eh

Jinhos

12:48 da tarde  
Blogger heidy said...

hum... eu passo por todos os blogs, porque assim ninguém se chateia comigo. :) Tudo é feito de forma democrática. :P
Quanto à prenda de formatura... bem feita!!! :)

9:34 da tarde  
Anonymous RT said...

Que raio de vicio têm as argentinas... bolas... eheheh

12:22 da tarde  
Blogger António said...

Para "RT":

São umas pequenas muito dadas, as argentinas!
ah ah ah

9:46 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home