Eu sou louco!

Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças! (este blog está registado sob o nº 7675/2005 na IGAC - Inspecção Geral das Actividades Culturais)

A minha fotografia
Nome:
Localização: Maia, Porto, Portugal

terça-feira, maio 03, 2005

Camurso!

O meu pai tinha três irmãos.
Um mais velho, Manuel de seu nome, e dois mais novos, Gilberto e António, sendo este o benjamim.
Já todos faleceram. O último foi o António, que morreu no verão passado com 78 anos.
António (ou o tio Tone, como lhe chamava) era o bem disposto do grupo.
Sempre bem humorado, dizer piadas era com ele. Falava pelos cotovelos. E tinha um descaramento, uma total ausência de timidez, que deixava os irmãos muitas vezes embaraçados. Mas não era inconveniente. Tinha o sentido das proporções.
Foi casado, depois viúvo, mas não teve filhos. Meu pai, que nem sempre estava disposto a aturar tanta irreverência, dizia muitas vezes em tom de censura paternal:
- Se tivesses a responsabilidade de sustentar e educar dois filhos, como eu, não andavas sempre com essa boa disposição.
Mas não deixava de lhe achar piada!
Pois o meu tio António também era um portista ferrenho.
E, nomeadamente nos anos 60, muitas vezes ía com o mano Fernando (quero dizer, o meu pai) comigo e com a minha irmã para as bancadas do já desaparecido Estádio das Antas para ver o Porto jogar.
Como vivíamos bem pertinho, chegávamos cedo e sentavamo-nos (ou colocavamos umas almofadinhas) nos degraus de cimento que constituiam a bancada. Havia uns grupinhos que íam para a mesma zona e conversávamos uns com os outros. E não só sobre futebol.
Bom! Há uma correcção a fazer: o meu tio normalmente chegava mais tarde, mas o irmão marcava-lhe o lugar. E quantas vezes já estava a bancada cheia, as pessoas a cobiçarem o lugar do tio Tone, e o meu pai a desabafar:
- Qualquer dia deixo de lhe marcar lugar! Ainda tenho alguma discussão por lhe estar a guardar a almofada. Que raio de homem! É sempre o mesmo!
Mas o António nunca faltava. E mal nos via, com o seu potente vozeirão, característica bem distintiva, berrava:
- Ó Fernando! Já cheguei!
ou
- Ó irmão! Já cá estou!
- Agora põe-se aos berros! Parece que não teve educação! – resmungava o discreto mano Fernando.
Começado o jogo (não sei se já assistiram ao vivo a um jogo de futebol) lá vinham as palmas, os assobios, os incitamentos, os apupos, os impropérios. Uma delícia para um sociólogo. E não só! Minha irmã deleitava-se a apreciar o comportamento da multidão. Era o grande prazer dela.
E os árbitros?
Bom! É bem conhecido que são sempre o mau da fita. Quando o pessoal da bancada achava que ele tinha prejudicado o Porto, parte dele levantava-se e aqueles conhecidos nomes em vernáculo ecoavam durante um pequeno intervalo de tempo.
Claro que o tio Tone ajudava à festa!
Mas, de vez em quando, resolvia fazer o seu solo.
Solo? Sim, solo!
Eu explico!
Quando a multidão vociferava palavrões contra o homem do apito e seus auxiliares (os bandeirinhas, como se chamavam na época), o nosso protagonista mantinha-se impávido e sereno.
Mas quando o bruaá amainava, ele levantava-se e bradava na sua voz de trovão:
- Camurso!
E era ver centenas ou mesmo milhares de cabecinhas a voltar-se para o ponto donde partira o berro.
Quando achava que tinha auditório suficiente, explicava alto e bom som:
- Camurso quer dizer 50% camelo e 50% urso!
E sentava-se calmamente com um irreprimível ar de gozo e perante a gargalhada geral!
Ainda hoje, uma velho amigo que algumas vezes assistiu à cena, se refere ao tio como: “o teu tio camurso”.

18 Comments:

Blogger Betty Branco Martins said...

António

As tuas histórias, têm um carinho, uma ternura como poucas. Vivências reais, momentos de vida, transformas em deliciosos "contos" de tão agradavel leitura.

Um beijo

1:13 da manhã  
Blogger Bárbara Vale-Frias said...

Que boa maneira de começar o dia. Já vou sair de casa com um sorriso nos lábios! ;)

História muito gira.

Bjs!

8:38 da manhã  
Blogger Karamelisses said...

Não sou bairrista, mas é por estas e por outras que eu adoro as gentes do Porto! Genuinidade sempre à flor da pele!

Tem graça que eu uso esta expressão muitas vezes em tom de desabafo, mas não lhe conhecia o significado. Agora, graças ao "tio Camurso", já sei: 50% camelo e 50% urso!!!

Um beijinho

3:18 da tarde  
Blogger Adryka said...

Recordar é viver, essa história tá na tua cabeça, nós quando crianças registamos tudo eu lembro de ido ver o meu Braga, com as minhas amigas,claro entrava só na ultima meia hora pois era de graça, e de quando em vez vinha um palavrão daqueles de deitar por terra qualquer civilizado eu olhava e procurava a pessoa com os olhos até a localizar, só que por vezes eram tantos os palavrões que eu ficava super envergonhada.bjs

4:50 da tarde  
Blogger sininho said...

[Começando por pedir desculpas por esta invasão repentina*]

As histórias que li aqui deixaram-me de brilhozinho nos olhos.
Gostei mesmo muito.

8:00 da tarde  
Blogger BlueShell said...

heheeh...um tio muito bem disposto. conseguiste transmitir perfeitamente as circunstãncias e caracterizar as parsonagens. Sei que já foste sócio do FCP...mas que agora já não és...embora continues a ser um "portista ferrenho"...Olha...eu...bem...como dizer isto...é assim...Eu sou mais para o "Vermelho , vermelhão"....entendes? BENFIQUISTA...hehhehheheh.....
já sei, já sei...dei-te um desgosto...até as pedras vão chorar...ai agora é que vão...
Jinho vermelho..BShell

8:07 da tarde  
Blogger Betty Branco Martins said...

António vai até ao "InApto" que é bem divertido o link está no meu "Fragmentos"

também posso esvrever aqui o link, caramba!!!

http://vbeiras.blogapraai.com.pt

Se não conseguires vai então ao meu "Fragmentos"

E diz-me se gostaste!

Beijinhos

2:09 da manhã  
Blogger Betty Branco Martins said...

No link a seguir ao ao (.com) não leva o . (ponto)

Despulpa a trapalhada :-))

2:13 da manhã  
Anonymous Caiê said...

ah ah! eu contava-te uma da minha terra, verídica... mas envolve a mãe do árbitro, podes imaginar... as mães dos árbitros nunca devem ir ao futebol, pra seu próprio bem !!! :)

2:55 da manhã  
Blogger Betty Branco Martins said...

António

Foi um pouquinho confuso! mas percebeste :-)

Eu não conheço quem escreve, mas o próprio deixou-me um Post e mais tarde, alguém me fez a mim, o que eu te fiz e fui "ver"
achei interessante, pela forma desprendida. Sabe bem de vez em quando ler a actualidade pelo lado caricato.

Beijos

9:21 da tarde  
Blogger Gado Bravo said...

Sim, na nossa terra também temos umas tipo "ti tone", não sei se a Caiê se lembra da D.Adelaide, mas era uma senhora, mãe dum treinador na altura, levada da breca. Ninguém tinha coragem de se sentar ao lado dela por causa da vozeira e dos puxões. :) Adeptos... :)
Bonita história António!
Um beijinho*

1:56 da manhã  
Blogger Anjo Do Sol said...

Divertido e aliciante foi o que achei desta história. :)
"Encontrei-te" no blog Chuva Negra e vim até aqui conhecer o teu espaço. Gostei da forma directa como escreves, simples e divertida. :)
Voltarei para ler um pouco mais. :)

12:21 da tarde  
Anonymous Menina_marota said...

Adorei a magia desta história!

Um abraço e bom fim de semana :-)

6:11 da tarde  
Blogger BlueShell said...

So desejar um bom fds, Jinho, BShell

7:10 da tarde  
Anonymous zezinho said...

Carinhosa a forma como descreves as tuas lembranças
Abraço

8:10 da tarde  
Blogger Malae said...

Ai, caro amigo das palavras elogiosas :)))) Mais um estória fantástica, com um sabor doce das recordações! Adoro futebol (sou assim mais verde:) ) e recorodo-me de quando ia ao futebol em pequena (coisa que o meu pai não gostava muito porque nunca parava quieta!eheh) e como era diferente de agora. Foram algumas as vezes que pensei em sair mais cedo dos estádios para fugir aos problemas! E mais uma vez um cheirinho a Porto :)))) É verdade: tenho familia perto de Vila Nova de Gaia, mais precisamente, Vilar de Andorinho, e desde pequena que as minhas férias foram ali passadas (infelizmente o ano passado não foi possivel). E que férias eram! Como costumo dizer... a minha infância recorda-me os cheiros do Porto! Isso de que férias no Algarve é que é bom é um mito:))) ehehehehehe Sou uma lisboeta que adora o Porto! Acho que já me estendi demais. Bom fim de semana, amigo! Um beijinho muito grande para ti e tb para a familia, que sofreu uma triste perda! Que descanse em paz! Beijo grande. Malae************

2:20 da tarde  
Anonymous guevara said...

Voltei da semana academica!
Quer dizer, foi académica, mas n participei! Só que n pude vir à net!
Ai...os teus textos...
Também tenho um tio assim!
E o meu cunhado? è mais maluqinho que o teu tio!

:)
:*

11:08 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Best regards from NY!
Generic ultram buy tramadol now Maternity clothes 1860 Nexia biotechnologies inc peugeot house+insurance+online+quote

9:03 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home