Eu sou louco!

Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças! (este blog está registado sob o nº 7675/2005 na IGAC - Inspecção Geral das Actividades Culturais)

A minha fotografia
Nome:
Localização: Maia, Porto, Portugal

sexta-feira, janeiro 20, 2006

O viúvo - parte VII

Na sexta-feira pela manhã acordou outra vez bem disposto. Não tinha nenhuma música no ouvido como na véspera, mas arranjou-se com mais cuidados que habitualmente. Afinal, dali a pouco a Rosinha estava lá em casa e apetecia-lhe causar boa impressão.
Ainda não eram nove horas e sentiu a porta a ser aberta.
- Ora aqui está a minha flor – pensou – e acho que tem poucos espinhos.
Foi preparar o pequeno-almoço para a cozinha:
- Bom dia, Rosa!
- Bom dia, senhor Novais! – respondeu ela – e olhe que está mesmo um sol que até dá gosto.
- O sol dá gosto, mas o quentinho dele também, quando não é demais, e a Rosa que está ainda mais parecida com uma rosa que de costume, também dá gosto – galanteou o Zé.
- Uma mulher tem de saber andar arranjada, não acha? – disse sem se desmanchar a empregada.
- Claro! Claro! Tem toda a razão! E a Rosa tem-me surpreendido favoravelmente – desabafou o homem.
- Acha, senhor Novais?
- Se acho! Parece mais uma patroa que uma empregada – disparou certeiro o viúvo.
- Quem sabe se ainda não hei-de ser patroa – respondeu com um sorriso malandro dirigido para o homem.
Este sentiu-se tocado e pensou rapidamente que talvez estivesse a andar depressa demais e a meter caraminholas na cabeça da mulher.
- Nunca se sabe! O mundo dá muita volta, não é? – respondeu um tanto encavacado – olhe! Tem a lista das compras a fazer?
- Está ali!
E a Rosa dirigiu-se a um móvel donde pegou num pequeno papel que entregou ao José.
- Muito obrigado! Não é muita coisa – disse ele passando os olhos pelo rol.
- E como é que estava a D. Josefina? – perguntou a mulher.
- Na mesma quanto à doença e ainda mais chorosa por causa da filha. Coitada! Gosto muito da velhota. Sempre foi muito minha amiga e eu dela. Custa-me vê-la agora! Normalmente estou lá meia hora, três quartos de hora, e é um tempo bastante penoso de passar – desabafou o Novais.
Entretanto lembrou-se da promessa que tinha feito à empregada:
- É verdade! Eu já lhe disse que podia escolher a roupa da minha mulher para si? – perguntou.
- Não senhor!
- Então é assim! A Rosa pode levar para si toda a roupa que quiser, menos as écharpes, pois a D. Mina virá cá escolher algumas para ela. Deixe-me ficar os lenços de assoar que eu quero guardar alguns para mim – esclareceu o viúvo.
- Mais uma vez, muito obrigado, senhor Novais!
- Já lhe disse que não tem nada que agradecer. É pura justiça. E além disso o seu corpo é como o da Margarida – disse o homem – e agora vou tratar da minha vida lá para fora e deixá-la para trabalhar à vontade.
- O senhor Novais não incomoda nada – insinuou-se a mulher.
- Vou lá dentro e depois saio – disse ele, fazendo-se despercebido.
E assim aconteceu.

Quando chegou a casa, por volta das duas e meia, telefonou ao João para combinarem uma bilharada para a manhã seguinte.
Depois pegou no “Jornal de Notícias”, que desta vez havia comprado com um objectivo especial, sentou-se na mesa da sala e começou a ler os anúncios classificados de Relax.
- Ora vamos lá ver o que há por estas bandas. Não sei se irei fazer uma visita a alguma destas gajas, mas pelo menos fico mais informado sobre o mercado – pensou, terminando por soltar uma pequena risada.
Dentre os inúmeros anúncios, entre os quais vários de travestis que o surpreenderam pela quantidade, anotou os tópicos dos três ou quatro que viu para serviços na Maia.
Acabou por seleccionar um, que dizia:

MAIA
Marlene
Loira – 22 anos
Mínimo – 20 bombons
De 2ª a 6ª
91 000 00 00

- Já não percebo isto muito bem – pensou – bombons são euros, não há dúvida. Mínimo quer dizer preço mínimo, com certeza, mas depois não está bem claro. Acho que vou telefonar para tirar dúvidas.
E riu-se como um adolescente.
Marcou o número e, do outro lado, atendeu uma voz de mulher jovem, meiga, que disse:
- Boa tarde! Deseja alguma coisa?
- Sim! É a Marlene?
- Sou!
- Olhe! Tenho à minha frente um anúncio que pôs no JN e eu gostava de saber o que é o mínimo – perguntou o intrigado Zé.
- Eu explico com muito gosto – disse a meretriz.
E continuou:
- Vinte euros é o mínimo que consiste em sexo oral e vaginal. Se pretender também anal são cinquenta euros. E uma segunda oportunidade fica por quarenta.
O Zé tomou nota num papel e perguntou:
- Que é isso de segunda oportunidade?
- É uma repetição do oral e vaginal – respondeu a rapariga.
- Ah! E onde é o local da acção? – quis saber o potencial cliente.
- Sabe onde são as Galerias do Visconde de Barreiros?
- Sim, sei, junto da Câmara!
- Quando cá chegar telefona-me que eu dou-lhe as indicações.
- Estou a ver que toma algumas cautelas.
- Tem de ser! Quer vir agora?
- Não! Estava só a pedir esclarecimentos. Mas talvez vá na segunda-feira – disfarçou o José – e a que horas pode ser?
- Das dez às vinte e duas, de segunda a sexta.
- Então muito obrigado e muito boa tarde – e o Zé desligou.
Finalmente desabafou:
- Ufa! Isto está bem montado e tem serviço variado.
Passou a limpo as anotações e exclamou em surdina:
- Ó Marlene! Acho que estás demasiado profissional. Não me deves apanhar! Mas é sempre bom ter um pronto-socorro em stand-by – e riu-se novamente.
Depois do telefonema foi para o sofá ler o jornal e fazer horas até ir ao ginásio gastar umas calorias.

33 Comments:

Blogger lazuli said...

estás a escrever muito bem, tanto assim é que esse homem já me está a dar voltas ao estômago. Que sanha...
Vcs são todos assim?:))

5:21 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

querido amigo, este viúvo é uma seca.... será que os homens qd ficam sozinhos são todos assim???
De qq maneira já fiquei com a curiosidade satisfeita quanto ao telefonema para a «menina» sempre tive curiosidade em saber como é que é feita uma abordagem destas... beijinhos e continua a deliciar-nos com os teus escritos.
Anabela

11:21 da manhã  
Anonymous hodiguitria said...

É o que eu digo...este Zé é "só garganta", "muita parra e pouca uva", vai encontrar defeitos em todas! Ninguém vai estar à altura da sua Margarida... também pode ser o medo de falhar: já não é um jovem... Mas isto são só hipóteses! ;)

1:18 da tarde  
Anonymous Maria Papoila said...

António estou a adorar estas tuas descrições das alternativas do Zé. A análise de mercado, e o telefonema para a Marlene foram delirantes e ainda estou a rir... A Rosa, está a fazer-se demais ao piso. Vocês são todos assim? Olha que ser homem deve ser uma seca! Ahahahahah!
Beijo

6:15 da tarde  
Blogger Ovelha Negra said...

ena bem...lol por esta não esperava...isto são é só ameaças...hum...fala fala e eu não o vejo a fazer nada.
Escreveste muito menos...isto é mesmo para cativar certo? malandro ;)

7:34 da tarde  
Blogger Heloisa B.P said...

Ai este VIUVO!
O homem, e' de uma "organizacao" e... de um "apetite", que se sobrepoe ao sentimento de Dor!_Interrogo-me:Sera' que ele sente mesmo alguma DOR pela morte da ESPOSA???
Parece-me frio e calculista demais!
Ou, sera' REAL e, o Homem e' mesmo assim!???_Nego-me a aceitar esse facto!
_Aguardo o desenrolar da historia e, deixo-me de congeminacoes e juizos de valor!
_nao vou dizer que esta' muito bem escrito, porque, parecerei um "relogio de repeticao"!
_POBRE ROSA_!
SORRINDO!
Ca' estarei no proximo Capitulo!
_Tenha um optimo Fim de Semana, ANTONIO!
Deixo um Abraco!
Heloisa B.P.
**************

8:17 da tarde  
Blogger wind said...

Credo não gosto nada deste tipo.lol. Atira-se à empregada, mas depois recua, telefona para sexo...aiaiaiai. Mas parece-me que por enquanto são só "vozes de burro que não chegam ao céu".:) beijos

8:54 da tarde  
Blogger Betty Branco Martins said...

Querido António

O "nosso" viuvinho está um pouco carente.

E tu retratas esse facto com toda a mestria da escrita.

Beijinhos

Bfs

9:04 da tarde  
Blogger sininho said...

apercebi-me, quando cliquei sobre o nome deste cantinho que já não visitava há tanto tempo, que todos os génios são loucos.
tenho tanto pra ler:)

10:40 da tarde  
Blogger Su said...

isto está a ficar do genero que as mulheres odeiam ehehehehe
jocas maradas

11:03 da tarde  
Blogger Mocho said...

Continuas a escrever a ficção de forma bem elaborada e bem trabalhada. Como sempre, agrada-me ler o que escreves porque tens um cuidado especial de rigor e qualidade de escrita que é raro ler, em textos longos, na net. Relativamente ao tema do teu projecto escrito, é sempre delirante ouvir as opiniões de quem te lê porque, de forma consciente ou não, criticam-se as personagens e vivem-se oscomportamentos. É bom sinal...sinal que estamos cativadas e enredadas nos personagens. P.S. - 80-100???

11:13 da tarde  
Anonymous mocho said...

Olha que os animais são nossos amigos...hi, hi, hi!!!! O Sr. Novais devia arranjar um cachorrinho para lhe fazer companhia. Ias ver como ele mudava o comportamento dele...p`ra aí em 70-80%, se não fosse em 100%...PIU! Continuação de óptima escrita e pensa na minha sugestão. P.S. - Tambem pode ser uma avezinha. Os resultados não são própriamente os mesmos mas andam lá perto!

11:59 da tarde  
Blogger Paula Raposo said...

É certo que as pessoas nem sempre são o que aparentam, mas ou este viúvo dá uma grande volta ou realmente nunca o gramei!! Beijinhos, bom fim de semana.

8:34 da manhã  
Blogger sonamaia said...

Afinal o Zé não está assim tão carente!! Com tanta oferta e o raio do homem não se decide...Detesto esse tipo de homens!! Homem qué é homem tem que ser garanhão, carago e para uma trancadinha qualquer uma serve seja profissional ou a empregadinha doméstica que, pela descriçao não é de deitar fora!!!

Apesar disto a história continua bem contada, com bom ritmo e não se torna enfadonha, mas o Zé tá a mexer-me com os nervos!!

beijinho

3:17 da tarde  
Blogger myanmar said...

a joana, a sininho, passou um tempo longe do nepal.
mas agora voltou.com um nome diferente mas com a mesma alma.pelo menos assim o espera.
um beijinho meu caro contador de histórias, da sininho que agora é myanmar*

3:17 da tarde  
Blogger Paula Raposo said...

Claro, António, não faria sentido criar um personagem para agradar aos leitores...e na repulsa que alguns poderemos ter reside o mistério! Obrigada pelo comentário naquele meu poema. Já publiquei um livro em prosa em 2001, mas de poesia não. A minha mãe fala-me nisso mas eu não tenho tempo de procurar editora! Um dia, talvez os meus filhos o queiram fazer!! Beijinhos.

5:06 da tarde  
Blogger A.na said...

Lindooo!
No local da acção a 20 bombons.Ahaha!

Meu mais A.migo,
está a ficar mesmo doce esta
tua boa aventura.
E a flor?Ah a flor...malandreca conquista!
Serás assim A.?imagino que sim...talvez deixes por aqui um pouco de ti,sempre!

Perguntas-me se é bom sinal?
Digo-te...que em vez de ir
jantar,ir a um cinema,sair,
estar com...eu vou deixando posts,
aqui tens sem muito dizer,a minha resposta...!Pois.
Olha.não faz mal.Quanto menos
me lembrar melhor é o remédio.
Assunto que em nada
me interessa mais.
Estou como o sr.Novais...
Onde se passará a acção??

A vida continua.
A lesão está a passar...
como em tudo,só o tempo faz milagres.
Abraço-te A.de meu
mais querido A. de frutos bons.

5:38 da tarde  
Blogger António said...

Para "sonamaia":
As minhas comentadoras (porque, de facto, praticamente só pessoas do sexo feminino é que comentam os meus textos) umas vezes acham que o Zé Viúvo vai muito depressa. Outras acham que vai muito devagar e parece nabo.
Pois o autor acha que vai no ritmo certo.
E atenção!
Ainda muito irá acontecer, incluindo sexo explícto...ah ah ah
Não percas as cenas dos próximos episódios...ah ah ah

Beijinhos

6:46 da tarde  
Blogger lena said...

é sábado e o Zé Luís certamente já fez a sua partida de bilhar com o seu amigo João, tenho a impressão que desta vez perdeu, ainda a pensar nos 22 anitos da Marlene e na Rosinha com o aspecto de uma rosa,
a tua escrita faz transparecer bem a solidão em que o José Luis se encontra e continuas a elaborar bem a tua forma de escrever, que me agrada muito

é um defeito meu, já te disse, entrar nas narrativas e acompanhar os personagens que me cativam e este Zé Luís é encantador sem duvida, pela forma como encara a vida, com alguns momentos muito positivos


beijinhos muitos para ti e fico à espera de mais

lena

7:13 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

este viúvo é cá uma bela peça. despachado o homem... e dona rosinha não lhe fica atrás. às tantas foi ela que despachou a patroa mais depressa. estou só a especular.

abraço da leonor

9:00 da tarde  
Blogger LEONOR C. said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

9:40 da tarde  
Blogger SaltaPocinhas said...

Louco tu? louca foi a minha semana em que raros foram os dias em que cheguei a casa antes das 21, sem tempo para nada a não ser jantar e descansar um bocado. Agora perdi o fio à tua novela, vou ver se amanhã cá venho ler, que agora tenho a minha filha a chamar lá da cozinha para eu acudir não sei a quê.... JÁ VOOOOOOU!
Vim só agradecer o teu excelente e esclarecedor comentário.

11:05 da tarde  
Blogger BlueShell said...

Olha que a tua escrita está cada vez mais requintada....mais "apaladada"...
A gente lê...e quer mais!!!

Beijosssss
BShell

12:12 da tarde  
Anonymous GR said...

Ele bem tenta!
Mas todas têm um senão!
Entre o “desejo” e o “ter”, vai sempre uma grande distância!
Estou apreensiva!
Ficamos agarradas à história, sem a conseguirmos desvendar!
Estás cada vez mais profissional!
Parabéns!

Bjs,

GR

12:36 da manhã  
Blogger {-Sutra-} said...

Estou a achar este viúvo um encanto :P

Bj doce

12:43 da manhã  
Blogger Xuinha Foguetão said...

E acaba de entrar mais uma mulher em cena!

Eheheheheh!

O pronto-socorro!

Beijos.

11:29 da manhã  
Blogger MT said...

Bem continuo a achar este Viúvo demasiado atiradiço, mas já agora quero ver até onde vai ele, agora que não deixa nada bem visto o género masculino, não deixa.

Beijinhos

1:11 da tarde  
Blogger António said...

Para "GR":
Obrigado por mais uma visita e mais um comentário.
Continua a aparecer que eu gosto.

Beijinhos

2:27 da tarde  
Blogger Luna said...

Será que já as gastou todas?! Hummm..

4:31 da tarde  
Blogger António said...

Para "luna":
Como não consigo aceder ao teu blog, deixo aqui o agradecimento pela visita.

Beijo

5:04 da tarde  
Blogger lune said...

António, desculpa, mas não me lembro se alguma vez te deixei algum comentário...beijos
Jaci

6:10 da tarde  
Blogger margusta said...

Querido António,
...eu cá acho que por muitas voltas que isto vá dar, a mulher indicada para o nosso viuvinho é mesmo a Rosa...até tem o corpo da Margarida :)

Beijinhos

10:26 da tarde  
Blogger Mitsou said...

Ai que o Zé anda muito bem disposto! E atrevidote, o malandro. Continuo a gostar muito, como se vê :)

4:23 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home