Eu sou louco!

Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças! (este blog está registado sob o nº 7675/2005 na IGAC - Inspecção Geral das Actividades Culturais)

A minha fotografia
Nome:
Localização: Maia, Porto, Portugal

terça-feira, abril 25, 2006

Diálogos de gente (IX) (O lambe-botas)

Duarte Nóvoa estava sentado na secretária do seu gabinete a escrever um e-mail de resposta a uma questão suscitada pelo seu superior hierárquico e Director – Geral.
Eis que o seu subordinado Óscar Ribeiro assomou à porta do compartimento e perguntou baixinho:
- O Sr. engenheiro dá licença?
O chefe nem teve de levantar a cabeça para saber quem era:
- Oh Óscar! Eu agora preciso de estar concentrado aqui a redigir um texto para o meu chefe. Falamos daqui a um bocadinho.
- Sim, Sr. engenheiro Nóvoa – respondeu o Ribeiro, ao mesmo tempo que entrava completamente no gabinete e se postava silenciosamente junto à porta.
Ao fim de uns bons quinze minutos:
- Ufa! Finalmente! – suspirou o Duarte, e reparando no outro – Então você ainda está aí, Ribeiro?
- Estava à espera que o Sr. engenheiro acabasse esse trabalho para falar consigo.
- Já lhe disse para não me chamar Sr. engenheiro. Não gosto. Pode chamar-me engenheiro Nóvoa se quiser usar o título, mas sabe muito bem que não gosto muito disso. O meu nome é Duarte Nóvoa – ralhou o “manda-chuva”.
- Pois é! Mas estou habituado a meter sempre o engenheiro e agora, se não usar, não me sinto bem – justificou-se o Óscar.
- Mas afinal qual é o problema, oh Ribeiro? – interrogou o Nóvoa.
- Queria pedir-lhe autorização para logo à tarde me deixar sair. Tenho uma consulta marcada no oftalmologista às quatro horas. Mas eu ainda venho cá depois porque o Sr. engenheiro Nóvoa pode precisar de mim – disse o homem.
- Está muito bem! É sensato olhar pela saúde e a visão deve ser bem vigiada – autorizou o engenheiro.
E continuou:
- E está dispensado para o resto da tarde. Você passa cá muito tempo e até lhe faz bem ir apanhar ar fresco. Senão ainda fica mais doente estando sempre aqui metido.
- Muito obrigado, Sr. Engenheiro! – agradeceu o Óscar – Mas eu gosto de estar aqui porque acho que devo dedicar o máximo de tempo à empresa que me paga.
- Eu agradeço muito a sua dedicação, Ribeiro, mas não quero que prejudique a sua vida privada e familiar. Salvo em situações excepcionais – disse o chefe.
- Sabe que, se não estou cá eu, muitas das outras pessoas não tem tanta dedicação à firma e alguns assuntos ficam adiados. Eu procuro resolver tudo de imediato.
- Eu sei da sua dedicação, Ribeiro! Não precisa de ma lembrar. – afirmou o Nóvoa, já um pouco fatigado dos salamaleques e auto-elogios do outro – Pode retirar-se e, se me fizer o favor, peça ao Nogueira para cá vir.
- Acho que o Nogueira não está cá! Mas eu vou procurá-lo e se estiver eu dou-lhe o recado – prontificou-se o “lambe – botas”.
- O Nogueira não está cá? Mas ninguém me disse nada! – admirou-se o Duarte.
- Eu não tenho a certeza, mas vou já tratar disso. Com licença! – e saiu da sala, o Ribeiro.
- Até que enfim! Este tipo é pior que uma carraça! – desabafou para consigo o Director do Departamento.
Passados alguns minutos, apareceu novamente o Óscar.
- O Sr. Engenheiro dá licença? – perguntou.
- Diga lá, Ribeiro!
- Estive a procurar o meu colega Nogueira mas não o encontrei.
- Mas ele saiu e não disse nada? – perguntou, um pouco irritado, o responsável.
- Parece que saiu e não disse nada a ninguém – enfatizou o “graxista”.
- Isto assim não pode ser!
Mas eis que surge à porta um terceiro homem!
- O engenheiro andava à minha procura?
- Oh Nogueira! Afinal você está cá!
- Estive sempre! Mas de vez em quando tenho umas necessidades fisiológicas para satisfazer – disse o recém-chegado enquanto olhava com cara de poucos amigos para o Ribeiro.
- Entre e sente-se! E você, Ribeiro, pode retirar-se. Já não preciso de si, por enquanto – ordenou o Director.
- Então, com a sua licença, Sr. engenheiro!
E o Óscar Ribeiro saiu, a pensar:
- Este sacana vai ter de me dar um bom aumento! Nem que tenha de passar cá dentro 24 horas por dia.

32 Comments:

Blogger wind said...

lololol, Este sim, gostei:))))Típica caricatura e sárira de como escreveste do "lambe botas". Chega a ser irritante! Muito bom! Estás perdoado do último post. gargalhadas:)))) beijos

5:24 da tarde  
Blogger wind said...

*sátira

5:24 da tarde  
Anonymous Ana Joana said...

xiiiiiiii António, o que eu detesto os lambe-botas. São intragáveis! Já fui directora geral em duas situações profissionais distintas e, sempre encontramos "Oscares Ribeiros" em todos os sitios.Não tenho a minima pachorra e faço logo saber rssss.

Até o nome do cromo está bem colocado rsss (sem ofensa para os Oscares que não sáo lambe-botas) ahahah

Beijinhos
Ana Joana

8:25 da tarde  
Blogger António said...

Para "ana joana":
É com prazer que te vejo aqui de novo.
Só não percebi porque achas que o nome está bem colocado.
Foi escolhido ao acaso...eh eh

Beijinhos

9:42 da tarde  
Blogger lazuli said...

olá António.
Gostei de te ler, o que mais há são óscares . Hoje em dia são piores que os pombos, parece que são de geração espontânea.
Muitos óscares disfarçam muito bem, sabem as tácticas todas. Esse é um do primeiro nível e o engenheiro já o topou.
Tens razão, ando menos "risonha" se é que alguma vez fui:)
Mas cá se vai indo, como se costuma dizer.
Beijos.

1:24 da manhã  
Blogger Caiê said...

Eu cheiro estes graxistas à distância. Tenho-lhes um nojo tal... Enfim, são feitos de tanta manteiga que, se estou ao pé de um, até me sinto gordurosa! :)

1:59 da manhã  
Blogger Paula Raposo said...

Óptimo!! Bem descrito o estilo 'lambe botas'!! Odientos, execráveis e insuportáveis!! Apetece desatar à chapada...ao 'lambe botas', não a ti, óbvio!! Beijinhos, gostei muito.

9:02 da manhã  
Blogger Papoila said...

Olá António! Esta figura típica do "lambe-botas", inconveniente e intragável também já me calhou em sorte... Espécie execrável, pronta a se necessário for passar a primeira rasteira àqueles de quem se diz amigo... Paradigmático este teu diálogo de gente, que me divertiu (lol) Beijo

11:27 da manhã  
Blogger Luís Monteiro da Cunha said...

Olá amigo...

Destes é o que mais existe por aí... lol
Até se esquecem da familia ou vida pessoal para satisfazerem o ego...

Quero agradecer as tuas palavras no Bufagato e sim...

A revolução continua...
até porque os ideais desta ainda não findaram...
Liberdade

Igualdade
Fraternidade

Estas duas, ainda não chegaram...
será que foram utópicas?

Abraço
Luís

1:11 da manhã  
Anonymous GR said...

São uns tristes coitados!
Os patrões detesta-os, mas aproveita-se deles!
Desprezados pelos colegas de trabalho!
São os primeiros a irem embora em ocasiões de desemprego!
Seres odiados!

Engraçado, o único “lambe-botas” com quem trabalhei chamava-se Ribeiro (hoje está reformado e o ar mais puro)

Esta crónica está formidável!
Lembras-te de temas que todos conhecemos, jamais escreveríamos!
Magnífico!
Sempre de parabéns!

Bjs,
GR

1:16 da manhã  
Anonymous Cris said...

Mas que cromo!!!! - diria a Maria João se aqui viesse ler-te.
O que é mais curioso é que esses cromozitos estão a proliferar e começam cedo!!!...
O problema é que há alturas, sabes, em que fazem um jeitaço do caramba aos ditos Senhores Engenheiros. (Pois!...)
Já estou como a Ana Joana: - São intragáveis!
Na minha área de trabalho, vou-te dizer, ele é cada Óscar Ribeiro e cada "Oscarina"!...rsss...Até sibilam, nos corredores.
Haja pachorra!
........
Vais buscar temas óptimos!
Como desliza essa caneta, Amigo!
Beijo e mais uma vez, obrigada por fazeres com que não pense no "resto" que tanto me preocupa.
***
Bom resto de noite, António e, bons Diálogos de gente :-)

1:41 da manhã  
Blogger MT said...

Não gosto deste Ribeiro, mas continuo a gostar destes teus textos.
Continua a deliciar-nos.

Beijinhos

4:11 da tarde  
Blogger Heloisa B.P said...

Varios SORRISOS durante a leitura e, parei, aqui*:
"- Já lhe disse para não me chamar Sr. engenheiro. Não gosto. Pode chamar-me engenheiro Nóvoa se quiser usar o título, mas sabe muito bem que não gosto muito disso. O meu nome é Duarte Nóvoa – ralhou o “manda-chuva”."
.........
Prossegui, sorrindo ja' de "orelha a orelha"! e... no FIM, uma GARGALHADA!.......
E, os "Deuses" nos livrem de "OSCARS RIBEIROS"!!!!!!!!!!
_ANTONIO*,
Meu caro Amigo, impagavel!
Seus TEXTOS*****, para alem do prazer que me dao ainda sao uma OPTIMA TERAPIA:_estou ficando velha e chata_!
Deixo-LHE MEU ABRACO!
FIQUE EM SAUDE!

Heloisa.
************

7:03 da tarde  
Blogger Leonor said...

impressionante! mas há gente assim, aos montes quando o clima é de competição. na escola, noto, entre algumas colegas os complexos entre as licenciadas e as bacharéis.
mas conseguiste dar bem a conhecer a sarnice do homem, a meio do texto já lhe estava com uma raiva...

abraço da leonoreta

9:26 da tarde  
Blogger pinky said...

íiiiiiiiiiiiii esse Ribeiro é do pior! eu cá não queria um trabalhador desses na minha empresa, não! pode ser trabalhador mas parece ser mentiroso e gosta de passar a perna aos colegas! muito mau!

9:26 da tarde  
Blogger amita I said...

Olá António. Desde pequena que ouço dizer "é fugir dos sonsos!" e este Óscar lambe-botas faz parte deles. Infelizmente há muitos por aí à solta como há muitos superiores que deles se aproveitam. Conheci alguns desde operários a Drs mas estes últimos são mais perigosos.
Escreves muito bem e agarras quem te lê e sabes onde e como aplicar uma pitada de humor. Ingredientes necessários para um livro. Quando sai o teu?
Um bjinho e uma flor

9:52 da tarde  
Blogger António said...

Para "GR":
Obrigado por mais uma visita!
Sabes que é sempre um prazer receber e ler o teu comentário.

Beijinhos

8:51 da manhã  
Blogger claudiadesena said...

Ola António!!!

Bem, desconhecia o teu jeito inato p a escrita. Está de facto mt bom. Quem me dera... Cm n tenho esse jeito vou-me contentando em ter escrever no meu blog coisas da vida de uma comum mortal. :)

Beijos.

11:40 da manhã  
Blogger hodiguitria said...

Este Ribeiro não dá ponto sem nó! Muito divertida, esta história! ;)

12:00 da tarde  
Blogger The Woman +K(P) said...

Meu Ilustríssimo Migo António:

Teus pedidos são uma ordem... ;-)

Seja feita a tua vontade, mudei o template antes do previsto só por tua causa, heimmm...

Jinhos ternos

Ps:Escovas destas como mencionas neste teu texto, infelizmente encontram-se em todo o lado...

3:28 da tarde  
Blogger Clitie said...

Descubrite no Paginas Amar-ela, este texto aplica-se a alguém que conheço...Lol

Bom fim de semana.

6:39 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Queres ver que visitaste o serviço onde trabalho ?ah!ah!A sério quando li senti um tremelique cá dentro,caramba terça feira regresso ao serviço onde há um lambe botas destes,grrrr!Se sei o o que isto me irrita!!!!!
Irrita?Isto derperta-me uns instintos que nunca tive,apetece-me abaná-lo,que figuras ,que tristeza,não se enxergam!
Mas este chefe é um chefe inteligente,gostei,porque há cenários mais horripilantes quando o chefe gosta destes artistas,de ter séquito e então junta-se a fome com a vontade de comer...
Bem,então mais uma vez a prova da sua qualidade menino António,na escrita mas (e não me venhas com coisas!)nos olhos de ver o que misturado em doses perfeitas dá um resultado excelente.
Cá nos tens,deste lado,como mereces!
Beijinho grande,boa noite!
margarida

11:36 da tarde  
Blogger René Alan said...

Ora, se calhar tinha mais piada se por qualquer razão esquizofrénica de perturbação mental do mais alto grau e interesse, o excelentíssimo Óscar Ribeiro, não fosse graxista mas antes uma entidade paranormal de grande conveniência por parte das multinacionais!!! Mas gostei...

6:36 da manhã  
Blogger António said...

Para "margarida":
Obrigado pela visita e pelo comentário.
Haveria outros tipos de "lambe-botas" a caracterizar; optei por este.
Já é um exemplar que merece a pena expôr...eh eh

Beijinhos

6:52 da tarde  
Blogger Heloisa B.P said...

Passo e deixo outro ABRACO e, ROSAS DE MAIO!!!!!
_Tenha um excelente DIA!
Heloisa.
**********

10:23 da tarde  
Blogger {-Sutra-} said...

Não devem existir muitas pessoas que gostem de lambe-botas! O problema é aqueles que não os detectam e se deixam levar pelas suas intriguices. ;-)

António, estou de volta :-)

Beijo doce

2:25 da tarde  
Anonymous tb said...

Muito bem caracterizada a personagem "lambe botas", e muito bons os diálogos.
Beijinhos

3:39 da tarde  
Blogger Ana Maria said...

espectacular está o máximo esta imagem do graxista.
um jinho

5:03 da tarde  
Blogger lena said...

saudades dos teus diálogos

tão bem descrito, um "lambe botas" perfeito

pegas em cada tema tão verdadeiro,

e tantos há por aí, onde o ego fala mais forte que a vida de cada um, esquecendo a sua maneira se saber estar, saber ser ...

beijinhos meus, muitos para ti António

lena

4:43 da tarde  
Blogger sonamaia said...

Ainda há destes "graxas" que fazem tudo para ter um aumentozito???

O Ribeiro é subserviente demais para o meu gosto!! Já não vivemos no tempo "da outra senhora" ainda que os "jobs for the boys" continuem a existir...

kiss

5:41 da tarde  
Blogger António said...

Para "sonamaia":
Minha querida amiga!
Obviamente que existem e existirão tipos deste género.
Quantos eu conheço! Uns mais subtis, outros mais ostensivos e os piores de todos: os delatores.
Obrigado pelo "comment".

Beijinhos

6:42 da tarde  
Blogger euexisto said...

lindo! este blog tem textos deveras interessantes. dsd já os parabéns pelos excelentes pedaços de prosa . (sem graxismo, hehe)

5:10 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home