Eu sou louco!

Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças! (este blog está registado sob o nº 7675/2005 na IGAC - Inspecção Geral das Actividades Culturais)

A minha fotografia
Nome:
Localização: Maia, Porto, Portugal

segunda-feira, maio 29, 2006

Está calor!

Está calor!
Muito calor!
E eu não gosto do calor!
Sinto-me no inferno, a respirar pior, a transpirar demais.
Sinto-me um torresmo, não sou mais o mesmo.
Estas temperaturas me embrutecem e entorpecem.
Não sei o que escrever nem o que dizer
Porque fico dormente e ensonado.
Por isso, deixo aqui este desabafo.
Mas digo mais, em tom de sabedor:
As grandes civilizações nasceram em climas frios ou temperados.
Não foi nos desertos nem nas florestas de lianas.
Como gostaria de estar agora nas tundras siberianas!
Frio, agasalhos, alvura muita e alguma cor.
Está calor!
Muito calor!
E eu não gosto do calor!
Venham refrescar-me o corpo e as ideias.
Venham banhar-me em águas frias para eu renascer.
Venham depressa, antes que carbonize e me transforme em tição.
Venham dar-me de novo inspiração.
Venham libertar-me deste cárcere letal.
Atroz.
Feroz.
Que não me deixa ser.
Venham ajudar-me.
Socorro!
Senão eu morro.
Mas não apaguem o fogo interno que há em mim.
Porque então seria mesmo o fim.
Está calor!
Muito calor!
E eu não gosto do calor!

(peço desculpa por este texto que não sei se é um aborto, um nado-morto ou um poema torto)

38 Comments:

Blogger António said...

Abri o Word para escrever alguma coisa mas o vazio cerebral era total.
Sentia calor e comecei a escrever, escrever...e saiu esta bizarrice.
Mas achei-lhe graça porque é algo completamente diferente do que fiz até hoje em mais de 150 posts.
Acabei a rir-me do que escrevi e da lata em publicá-lo.
Espero que também se divirtam.

Abraços / Beijinhos

10:23 da tarde  
Blogger Peter said...

Depois da conversa das "tias", que foi o máximo, este é "cosi,cosi".

Boa semana e que a inspiração volte depressa, para gáudio de todos nós.

11:28 da tarde  
Blogger Menina_marota said...

ahahah

"Sinto-me um torresmo,..."


...ai que perigo!! Adoro torresmos tostadinhos!

Está genial! Gostei mesmo desta lufada de... calor!

Beijo de boa noite ;)

12:27 da manhã  
Anonymous GR said...

António,

Este poema está genial!

Ainda bem que veio o calor, para te poderes exprimires assim desta forma. Nova para mim!
Há um grito de desespero, quase de medo!
Dizem que Mozart, também era assim! Ficava com mau humor. O calor provocava-lhe obstrução respiratória, devido a problemas alérgicos!
Será que o calor só afecta os génios?
Que pena eu adorar o SOL! Gostar de muito calor!
Um dia um senhor muito pobre e doente que estava apanhar Sol, disse-me: “O Sol é a riqueza dos pobres”, acho a frase muito bonita, com muita poesia.

Ainda bem que veio calor, descobri um poeta!

Um beijo muito refrescante,

GR

3:25 da manhã  
Blogger Paula Raposo said...

Ah ah ah Achei bestial!! Não de besta, mas de giro. Adorei. Também detesto calor...Beijos.

9:07 da manhã  
Blogger António said...

Para "GR":
Obrigado por mais uma visita.
Acho que a única semelhança ente mim e o Amadeus Wolfgang Mozart deve ser essa de detestar o calor intenso.
Mas este post foi só uma variação em Sol (escaldante).
eh eh

Beijinhos

12:01 da tarde  
Anonymous hodiguitria said...

Ó amigo António...compre um ar condicionado! ehhehhe! Aqui por Beja... imagine só a canícula... só apetece fugir para a Sibéria, sim! beijos.

12:15 da tarde  
Blogger Leonor C.(nokinhas) said...

António, ó António! Estou contigo, amigo pois sinto-me uma lesma seca! Não consigo escrever nem fazer nada que jeito tenha. Apetece-me dizer como o outro: TIREM-ME DAQUI!!!!

2:37 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

nao te desculpes. sao os nervos dos dedos que nos obrigam a escrever, de vez em quando, nao escrita aborto, nao escrita nada- moerta, mas escrita torta, rsss

mas eu acho que está giro. e por até vezes rima.

abraço da leonoreta

5:00 da tarde  
Blogger Caiê said...

Pois eu adoro o calor! :) E rima com amor... ;)

6:24 da tarde  
Anonymous tb said...

ah ah ah ah
António, nem sei se gostei mais da ideia do torresmo se do tição...
Está muito engraçado e é sempre bom descobrirmos facetas novas de nós próprios.
Gostei!
beijinhos

7:41 da tarde  
Blogger Papoila said...

António diverti-me a ler.
Achei divinal o pedido para que te refresquem qual velho imperador.
Um banho tépido e secar ao ar refrescaquem não tem ar condicionado.
Um passeio até um rio com mergulho não é má ideia.
Gostei! Diverti-me!
Beijo

8:57 da tarde  
Blogger Vampirella said...

Se morasses onde eu moro, logo vias o que é sofrimento. Odeio calor!

10:45 da tarde  
Blogger a sua vizinha said...

Está convidado para uma patuscada... Não digo mais nada!

Abane-se, vizinho, abane-se!

10:55 da tarde  
Blogger wind said...

Não é melhor nem pior, é diferente.
Outro registo teu a que não estamos habituados, mas que levei a sério, porque senti que estavas mesmo aflito quando escreveste este teu desabafo.
Beijos

12:36 da manhã  
Blogger lazuli said...

Eu sabia que um dia ias distrair-te e..záz, mostravas a veia poética que há em ti.
Apesar da aparente diferença de estilo, ele está lá, o humor, a ironia, o contador de histórias. A história dum momento de calor, com toda a espontaneidade. E com um sorriso nos lábios.. que é como te vejo neste preciso momento.

Um beijo. António

4:02 da manhã  
Blogger pinky said...

hummmmmmm.....
império egipcio....
império inca.....
império asteca.....
império otomano.....
e............por ai a fora!
o calor é realmente demasiado, e de facto os países nordicos são muito mais produtivos que os do sul, mas há países quentes que já foram grandes impérios.. ;) bjkas

4:15 da manhã  
Anonymous Ana Avalon said...

António, baby. :-)))))
faço minhas as palavras da Pinky, em relação aos impérios...
Em relação a ti (nunca estiveste em Àfrica? achei que sim......), há várias soluções: mergulho em piscina, banho de água quente-que tem a reacção contrária, rsrsrsrsr-umas capirinhas que ajudam à sonolência que se te instalou, cubos de gelo pelas costas abaixo (tipo Kim Bassinger e os morangos e 9 semanas e meia......risossssssss)
Beijinhos, António! Gostei do teu desabafo (que foi para deixar de abafar)e que foi *****, poeticamente falando
:-))))))

10:41 da manhã  
Blogger amita I said...

Te trago
no click dum passo
um pouco d'água fresca
engarrafada
canalizada
ou cubos de gelo
Mas se assim mesmo
permanecer o calor
sufocante
contagiante
revelado no poema
desloco
importo
um iceberg do Norte
p'ra melhorar a tua sorte
e em torresmo
não te transformes

Bendito calor que revelou a tua veia poética com o humor, a ironia, bem ao estilo do contador de histórias que existe em ti.
Um bjo, meu amigo, pela aragem mais fresca da manhã
E sorrisos.... loool

11:43 da manhã  
Anonymous carteiros said...

Olá. Há cartas por enviar? Abriu um marco de correio alternativo, aberto 24 horas por dia :)

11:49 da manhã  
Blogger António said...

Para "ana avalon":
Obrigado por teres assinado o ponto...eh eh
Em relação aos impérios e civilizações, vou transcrever aqui o que deixei no blog da "pinky":
"Em relação ao que escreveste, e perdoa-me se estiver equivocado, tenho algumas objecções:
O Egipto encontra-se junto ao Mediterrâneo que foi onde floresceram os grandes impérios e civilizações da Antiguidade. O clima não é propriamente tórrido, especialmente junto ao mar (Alexandria)! E algumas das grandes obras egípcias foram feitas por escravos na ponta do chicote.
Os Incas e os Aztecas, viviam em zonas relativamente altas e pouco quentes.
Quanto ao império Otomano não sei muito sobre ele, mas não seria nas zonas mais frescas que se desenvolveram, primordialmente?
Repito que não sei muito do assunto, mas..."

Este poema torto foi escrito ao correr da pena. Achei piada ao que saiu e resolvi publicar.
Mas serve de prova de que não nasci para poeta. Definitivamente!
(coisa que tenho dito repetidamente)

Beijinhos

4:48 da tarde  
Anonymous Ana Luar said...

Ok António abana-me pk deixaste-me com os calores da idade da loba.... não sei se gosto mais do calor ou deste poema torto. Mas uma coisa é certa gosto do que escreves... transpiro de satisfação!

5:36 da tarde  
Blogger Betty Branco Martins said...

Olá Querido António

Estou de volta! Por mais algum tempo, pelo menos até Julho

Ando eu a fazer as minhas "visitas" com muita pena não te encontrei no "Fragmentos" na minha ausência:((

Mas pronto... não se pode ter tudo!!!

Tens toda a razão ESTÁ MUITO CALOR!!! e tudo o que se possa dizer - o calor vai aumentando (estou a brincar, ainda bem)!!!

Gosto muito mais do frio :))

Beijinhos

7:40 da tarde  
Anonymous Ana Joana said...

Olà António!
Mais refrescadinho? eheheheh

Ainda bem que há sensações que te desesperam porque te fazem soltar outras veias!

Gosto de calor e acho que funciono a energia solar. É a epoca do ano mais apetecivel, mais produtiva e divertida. Apetece-me aproveitar a vida, toda, todinha. Gosto mesmo do calor. As noite quentes são divinas.E a rua chama por nós. Gosto de me cruzar com gente, colorida, descontraida, desinibida.

E a água a tentar, a toda a hora!

Abana-te, burrifa-te com água fresquinha e aproveita a sensação de liberdade dada pela pouca roupa que se usa.

Bom verão!

Beijinhos fresquinhos
Ana Joana

9:15 da tarde  
Blogger lena said...

prima pela diferença,
prima porque é poético,
prima porque é teu ...

ao contrario, eu adoro o calor, dá para eu passear à beira mar até me esquecer que as horas existem,
dormitar numa rocha e sentir o cheiro a maresia,
sim gosto dos dias quentes,
os banhos são adoráveis e sabem tão bem

mas gostei do que li António, e tu que não és um amante da poesia, andas a sair-te mito bem, parabéns

beijinhos meus querido amigo e o meu abraço

lena

9:53 da tarde  
Blogger António said...

Para "ana joana":
Minha querida amiga!
Nunca deixas de vir aqui assinar o ponto.
Mas desta vez compreendo que te tenhas sentido bem pois o texto é bastante quente (no sentido casto...eh eh) e tu parece gostares do calor.
Como já sabes eu prefiro o frio...para depois aquecer!
(no sentido não casto...eh eh)

Beijinhos

11:08 da tarde  
Blogger Joaninha said...

Pois é! com ou sem loucura, a verdade é que o calor se tem feito sentir parvamente... Tive pena que não tivesse entrado no meu Blog, pois muitas pessoas se lamentaram do mesmo... mas como não quero que isso volte a acontecer, tente novamente, se faz favor, em //www.blogfrau.blogspot.com/, e como tenho outros, depois os lerá... para já, adorei ler o que tem escrito... é sempre interessante admirar até onde vai a imaginação de quem escreve.
Este calor, pode acender mais uma velinha à imaginação e venham daí mais escritos. Um bem haja e até à proxima visita.

11:46 da tarde  
Blogger amigona said...

Bom dia António... espero que estejas mais bem disposto... fica bem...

9:19 da manhã  
Anonymous Avalon :-) said...

Eu não marco ponto! Va bene..., chéri?
E quanto aos impérios: podes ter razão (alguma) naquilo que dizes, mas que toda a história (até da moda, e principalmente, dela!) aponta para que andassem encalorados, isso é verdade!! risossssss ( a menos que fossem masoquistas!) ainda mais risosssss.
(Exceptuo aqui Alexandre, o grande-pequeno, pq realmente andou por tudo quanto era sítio!).
Beijinhos

12:44 da manhã  
Blogger Heloisa B.P said...

"(peço desculpa por este texto que não sei se é um aborto, um nado-morto ou um poema torto)"
.....................E, FACA-ME O GRANDE FAVOR, DE NAO CHAMAR "NOMES" AO POEMA! E, este "novo" modo de se expressar, so' vem confirmar, o que ja' varias vezes Lhe afirmei aqui e, por e-mail; veja se se recorda!
GOSTEI, FRANCAMENTE!_PODE CONTINUAR, par nos (me0 AGRADAR!
FICA MEU ABRACO!
_Ja' imagina, porque so' agora AQUI* chego!(??)....
Heloisa.
*************

9:55 da tarde  
Blogger PF said...

Oh, meu querido!
Está lindo!
Ainda pedes desculpa?
Obrigada por nos presenteares sempre com boas prosas e rimas harmoniosas que nos fazem deslizar pelas letras, encantados pelo teu escrever.
Um grande beijinho, muito fresquinho para o meu amiguinho.
;o)

2:37 da tarde  
Blogger Su said...

gostei desse teu imenso calor e vim te socorrer:)
eu gosto de algum calor....

jocas maradas

1:14 da manhã  
Anonymous oteudoceolhar said...

Dizes bizarrice?...bem então ou sou bizarra ou um aborto porque adorei...Enfim nada como ser diferente ;)...fica um beijo a quente ou a frio, tanto faz.

6:31 da tarde  
Anonymous guevara said...

Ehehehhe!

:D

Um abraço

12:56 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Belissimo....excelente...nota 18 na escala de 10 a 20. Um abraço da intemporal.blogs.sapo.pt

10:43 da tarde  
Blogger Xuinha Foguetão said...

Ora sai um tempinho mais fresquinho para o Toni.

Beijocas

5:59 da tarde  
Blogger APC said...

Nota 20 para o "aborto, nado-morto ou poema torto" (sempre nos dá por onde escolher, que simpatia;-)
A coisa saiu, porque o António a deixou sair, numa interessante mistura entre um naif desafio à liberdade expressiva e a madura noção de que o fazer-por-fazer lhe (nos?) sabia bem. E nem mais!!! :-)))

12:30 da manhã  
Blogger Ana Maria said...

Amigo isto é o principio de poesia revoltada sem muitas metáforas mas com muito sentimento e alma, carago!
bravo adorei!

10:55 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home