Eu sou louco!

Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças! (este blog está registado sob o nº 7675/2005 na IGAC - Inspecção Geral das Actividades Culturais)

A minha fotografia
Nome:
Localização: Maia, Porto, Portugal

segunda-feira, agosto 07, 2006

Guerra de civilizações

Este texto é o que se pode chamar um artigo de opinião.
Poucos escrevi ao longo deste ano e meio, mas não posso deixar de o fazer perante o que se está a passar actualmente no Médio Oriente.
Vou dizer o que penso da guerra entre Israel e o Hezbollah.
Dum lado está a civilização judaico-cristã que é a nossa e dos nossos antepassados e, espero, seja a dos nossos descendentes. Pode ter muitos defeitos mas não é, seguramente, a mais primitiva, retrógrada ou malévola de todas.
Do outro uma civilização árabe, fundamentalista, em que o poder religioso se sobrepõe a tudo e todos e em que uns quantos "iluminados" não passam de ferozes ditadores em nome de Alá. Mas não os confundo com os muçulmanos moderados, devo acentuar.
Enquanto a maior parte do mundo ocidental anda a discutir como combater o terrorismo implacável da Al Qaeda, do Hamas ou do Hezbollah, Israel está fazendo o trabalho sujo mas necessário, que nós, os ocidentais, cobardemente, não temos a coragem ou a conveniência de assumir, e enquanto os americanos estão agrilhoados a essa decisão imbecil que foi a de invadir o Iraque, que sendo governado por um sanguinário déspota, estava longe de ser uma real ameaça para o Ocidente.
Apoio totalmente Israel neste conflito contra uma seita terrorista, armada até aos dentes por estados muçulmanos extremistas, de que o Irão é o expoente máximo.
Não sou judeu nem tenho nenhuma particular simpatia por eles.
Mas apoio porque, para o bem ou para o mal, eu estou umbilicalmente ligado à civilização ocidental e não tenho nada a ver com o islamismo radical.
Esta diferenciação civilizacional é a verdadeira essência do conflito que, aliás, está latente em várias partes do mundo e também já eclodiu e persiste no Afeganistão. Mesma na Europa já há fortes sinais desse confronto, nomeadamente na França.
Podem falar-me que por trás dele está o negócio da venda de armas ou o do petróleo ou qualquer outro. Claro que esses interesses económicos são importante, mas não são a essência do problema.
Também me podem dizer que morrem demasiados inocentes. Pois morrem! Mas será que a vida de uma criança de treze anos vale mais do que a de um soldado de dezoito?
Sempre houve e haverá guerras. É bom que as haja? Obviamente que seria muito melhor que as não houvesse. Mas em certos assuntos temos de ser realistas sob pena de os nossos inimigos nos engolirem enquanto fazemos uma imponente manifestação pela paz no mundo.
Também não me interessa saber se o estado de Israel devia ou não ser criado na Palestina. São coisas do passado que não vou agora discutir. Ele existe!
Estaremos perante uma guerra religiosa? Alguns assim pensarão e actuarão em conformidade. Eu acho que é mais uma das questões acessórias, se bem que não seja de descurar.
Termino dizendo que quando há uma guerra que nos toca, mesmo que não directamente, não deve haver ambiguidades: ou se está dum lado ou do outro.
E eu sei, e sempre soube, qual é o meu!

34 Comments:

Blogger António said...

Duas notas:
O facto de ter publicado este texto, não implica que a pausa a que me propus tenha terminado.
Sei que o que escrevi é altamente polémico. Mas há momentos em que devemos sair da concha e dizer bem alto das nossas convicções.
Foi o que procurei fazer.

Saudações

4:04 da tarde  
Blogger wind said...

Pois António, já sabes a minha opinião que é totalmente discordante da tua.
Mas não é por isso que nos zangamos:)
Israel está a ser completamente déspota, com a cumplicidade dos Estados Unidos, que lhes vende as armas.
Por outro lado se o Irão e a Síria têm as armas é a França e mesmo Portugal (atenção a este pormenor) que lhas vendem.
Apesar disto tudo, sou tal como tu, CONTRA fundamentalistas.
beijos

4:48 da tarde  
Blogger Paula Raposo said...

Um excelente artigo, que subscrevo na íntegra. É a primeira vez que me manifesto sobre o conflito, aproveitando, que por uma vez, alguém pensa como eu e o escreve!! Beijos para ti.

4:52 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

polémico ou não é a tua opiniao, é a tua posição e eu penso (mas o que eu penso nao vale nada, dizia-me um professor na universidades, porque a menina não é ninguem neste pais) que as pessoas devem sempre dizer o que pensam. a teu favor estarão muitos mais. contra ti tambem. é aquela natureza humana que faz as guerras: uns de um lado, outros do outro seja lá quais forem os motivos.

como dizia kant: bom, bom, é a boa vontade.
como direi eu (sem presunção) bom, bom, é a coragem.

abraço da leonoreta

6:18 da tarde  
Blogger Lmatta said...

Bem eu queria paz
beijos

8:38 da tarde  
Blogger Peter said...

O teu artigo corresponde inteiramente com o meu ponto de vista e tiveste a coragem do assumir.
E digo "coragem", porque não é essa a atitude dos n/orgãos de informação.
É óbvio que morrem civis, pois são eles os combatentes do Hezbollah, enquanto do lado israelita, estão soldados, devidamente fardados e identificáveis.
É óvio que morrem menores, pois são eles que levavam os cinturões de explosivos com que se suicidaveam dentro dos autocarros, filas e supermercados em Israel, portanto vivem em prédios e não em quarteis. Os predios são os quarteis do Hezbollah.
O Hezbollah quer o regresso de todos os israelitas aos países de onde vieram, porque quer o desaparecimento de Israel como Estado, a pesar dele ser um "Estado" dentro de outro Estado.
Será que os países arábes vão receber de volta os seus compatriotas que vivem em Israel, nomeadamente em Haifa, onde havia uma perfeita integração entre árabes, israelitas e cristãos?
Muito haveria a dizer, mas fico por aqui pois estou em férias. Já os libaneses não podem dizer o mesmo.

1:07 da tarde  
Blogger Peter said...

António, acabei de publicar um texto sobre o assunto e julgo que até utilizei o mesmo título.

De facto: É DE BRADAR AOS CÉUS!

No meu texto vou mais ao pormenor e suscitar a ira dos "pseudo-progressista", ou até não ter nenhum comentário, o que sinceramente não me aflige.

Abraço

3:30 da tarde  
Blogger Heloisa B.P said...

Meu querido AMIGO ANTONIO*,
este e' um artigo bem escrito e segundo a qualidade a que ja' nos habituou!
Admiro a sua frontalidade e o modo como defende SEUS PENSAMENTOS E PONTOS DE VISTA! contudo, eu, neste caso,nao estou "inteiramente" de acordo porque, para mim, em pleno seculo XXI nenhuma GUERRA TEM RAZAO DE EXISTIR!
_"Violencia gera violencia", frase bem conhecida e, que por sinal, acabo tambem de le-la no blog de um outro AMIGO!_"VIOLENCIA GERA VIOLENCIA_! E, para mim,o valor da VIDA HUMANA nao se mede pelo bilhete de identidade, mas sim, pela VIDA E O DIREITO A ELA!
Choro os INOCENTES ( de meses, de dez anos de trinta de cem_INOCENTES_!
Nao estou do lado de "GREGOS NEM DE TROIANOS", estou do lado dos INOCENTES DE AMBOS OS LADOS DETA GUERRA ABSURDA E, SIM FANATICO/RELIGIOSA E, SIM, FANATICO/POLITICA!!!!!!!
SAO OS SENHORES DONO DO MUNDO E DOS PODERES A ELE INERENTES QUE FOMENTAM E ALIMENTAM ESTAS GUERRAS ABSURDAS E IMORAIS!!!
SIM A PAZ!
RESOLVAM AS DIFERENCAS PELAS CONVERSACOES E CEDA QUEM TEM DE CEDER!
_NADA ENTENDO DE POLITICA ( nem quero entender!)! ENTENDO SIM, DO DIREITO AQ VIDA E A DIGNIDADE DA MESMA QUE CADA SER HUMANO, DIGNO DESSE NOME, TEM!
_SIM A PAZ!_NAO A GUERRA, tenha ela a bandeira que tiver_!
..............................
aqui fica, meu AMIGO, em mal alinhavadas frases o meu ponto de vista que, e' mais do queum 2ponto de vista" e' UM SENTIR E UM MODO DE ESTAR NA VIDA_NAO A GUERRA USE ELA O "ESTANDARTE" QUE USAR E O CREDO QUE "APREGOAR"!!!
_Eu, choro lagrimas de verdade ao ver e ouvir os horrores que me entram pela "Janela dentro"!!!!

Sua amiga, que, respeita Suas Palavras e posicionamento,mas, que desta vez nao esta' inteiramente de acordo!

Heloisa.
************

7:48 da tarde  
Blogger lena said...

António meu amigo, primeiro surpreendida, vim reler-te como habitualmente e deparo com um post teu,li que continuas em pausa,

este assunto é altamente polémico como bem dizes, fez com que viesse a ler de, numa outra forma de escreveres

foi a tua opinião que aqui foi exposta, isso dá-me uma certa admiração por ti,tiveste a coragem do assumir e eu digo que assino por baixo, estou de acordo com tudo o que aqui foi exposto, obrigada por trazeres até aqui este poelémico assunto

continua a tua pausa, bem merecida, eu virei de vez enquando, também ando em meias pausa, mas vou arranjando um tempinho para vir

beijinhos para ti e um abraço meu, querido amigo António

8:59 da tarde  
Blogger GR said...

António,

Que alegria, interregno à pausa!

“Estaremos perante uma guerra religiosa?”
Claro que não!
Estamos perante uma guerra de petrólio e de milhões de dolares!
(cerca de 10 mil palestinianos até à data, 300 dos quais são crianças; libaneses:mais de de 1000 até à data).
Neste negócio à quem esteja feliz!
«O Pentágono EUA, prevê que o Governo norte-americano, venda armas no valor de 4.600 milhões de dólares, sobretudo para a Arábia Saudita.»
Apesar de estar 100% em total discordância com a tua análise, acredita, fiquei muito contente, por estares a escrever.
Não fiques aborrecido comigo,
A democracia é isto mesmo, saber respeitar, mesmo quando não concordamos! Sabes bem que eu te respeito!

Um beijo e um abraço amigo,

GR

2:33 da manhã  
Blogger António said...

Para "GR"!
Minha querida amiga!
Obrigado pela tua visita.
Deixa-me pedir-te que me mandes uma foto quando estreares a tua nova "burka".
Ah ah ah
Desculpa, mas não pude resistir!!!

Beijinhos para ti

8:43 da manhã  
Anonymous Sutra said...

Hoje vinha perguntar-te se a pausa iria demorar muito mais, quando me deparei com este texto.
Já li também que isto não trermina com a tua pausa, mas foi antes um grito de revolta que vieste aqui soltar.

Esta guerra não tem lados menos culpados. O que tem são muitas vítimas e essas não são tanto as que andam de arma em punho, são as que vêm a sua vida devastada por outros.

Não gosto de fundamentalismos, mas Israel também o é.
Israel, sente-se dono e senhor da guerra, como se fosse a palavra da verdade que deve combater os destruidores do mundo (metáforas, sim) mas é tão culpado como os Hezbollah. E com o apoio incondicional dos EUA e Bush, sente-se com maior força ainda.

Morrem crianças que não transportam explosivos, morrem inocentes que não participam nesta guerra a não ser para aumentar o número de vítimas.

Respeito a tua opinião, com todo o respeito e admiração que tenho por ti, mas não partilho da tua opinião :-)

12:21 da tarde  
Anonymous Sutra said...

oopss...

Esqueci de deixar o meu abraço e beijo doce e dizer ainda que, mesmo por breves momentos, gostei de te ver de novo aqui e que fazes cá falta, seja com que tipo de arigo for :-)

12:22 da tarde  
Anonymous GR said...

O teu sentido de humor não tem limites!
Não contava rir-me tanto!
És o máximo!

Um bj,

GR

5:51 da tarde  
Blogger APC said...

"Mas em certos assuntos temos de ser realistas sob pena de os nossos inimigos nos engolirem enquanto fazemos uma imponente manifestação pela paz no mundo" - dizes.
Concordo. Costumo pensar, dizer e discutir sobre o quão fracos nos tornamos na prática, quanto mais equipados somos no espírito (mas isto em termos factuais, e sem qualquer apologia implícita). Não só num caso que profissionalmente vejo muito: os espíritos existencialistas complexos acabam por convidar às depressões, quando os simplezitos e duros de cabeça estão a salvo; mas também - e para o que aqui importa - quando o facto de uma postura política, diplomática e deontológica de um país (e atenção que esses são, por defeito, os meus valores na vida) faz com que ele se torne o piegas-fracalhote, o alvo fácil a atingir, aquele que jamais teria os ditos para carregar num certo botãozinho, porque fez regras que cumpre, ao contrário dos alienados de todo (assim como o menino da escola que não bate em quem lhe bate e todos os dias leva).
Mas enfim! Isto não é opinião que por aqui se fique, nem sequer - provavelmente - que aqui devesse ter exposto, porque muito tem que se lhe diga e nada é simples. Todavia, o assunto é quente demais para que um latino se fique sem deitar uma achazita :-)

Quanto ao final do teu texto (e presumo que hajas feito a guerra em África, não?; também não importa agora, era só curiosidade): entendo o que tu dizes, mas apenas num contexto operacional, de terreno, pois no campo de batalha não devem andar os neutros e os indecisos a atrapalhar, é certo.
Contudo, "contra as armas, as cabeças", e muitas foram, são e serão as vezes em que o ser humano se depara com sérios dilemas morais que lhe dificultam uma decisão justa. E é claro que essa não é a de defendermos os da nossa cor, língua ou pátria, mas aqueles que merecem ser defendidos.
Implicará isto que, não raras vezes, o Homem vai ter dúvidas. Sim, que essas nos fragilizam no entretanto; mas mais verdade é uma acção errada nos pesa para sempre. Aceitar a dúvida com a coragem de reflectir sobre os diferentes pontos de vista (ouvi n'A Lista de Shindler que "a empatia é a razão de todas as guerras") distingue-nos dos fundamentalistas, não apenas dos animais.

Apesar de tudo (e do teu artigo ser uma corajosa opinião que merece muitas outras e maior profundidade), fico-me por etes detalhezitos, que ele há coisas que a a falar sozinho, one-to-one (sem a interrupção viva) não têm a mesma graça, lol.

E pronto, não vou confundir esta tua partilha com um regresso, ficai descansado. Aliás, se alguém perguntar se por aqui passaste, a malta até pode dizer que não! ;-)

Fica bem, e "até já"!
Faça favor de não esquecer o número 3, que é a conta que Deus fez! ;-)

8:10 da tarde  
Blogger APC said...

Já agora, creio que a segunda parte do meu texto tenha deixado claro que a primeira delas não é uma exaltação ao combater a guerra com a guerra (óbvio!), mas mero reflexão sobre o quão difícil será incutirmos valores sãos em gente que nem pensar sabe (e agora a minha cabeça já estava a ir para as escolas mais "difíceis" deste país, e para a dificuldade dos professores, por exemplo, em ser sequer respeitado como pessoa, quanto mais ouvido pelos pequenos marginais, e a anos-luz de poder mudar alguma coisa que seja.
Desistimos, insistimos no mesmo ou persistimos na busca de melhor?
É uma dúvida isto... Já não posso ir para a guerra! ;-)))

Beijokas*

8:18 da tarde  
Blogger hodiguitria said...

Amigo António, não posso concordar com a integridade do texto, mas compreendo e felicito a coragem de expôr ideias tão controversas: é um Senhor! ;)

5:07 da tarde  
Blogger APC said...

Cometi um engano de peso, e ressalvo:
"A falta de empatia é a razão de todas as guerras".
Pronto.

PS - Já agora, e embora se tivesse tirado plo sentido, era "(...) mas mais verdade é uma acção errada nos pesa para sempre".

PPS - BJS
:-)

5:32 da tarde  
Blogger APC said...

Cometi um engano de peso, e ressalvo:
"A falta de empatia é a razão de todas as guerras".
Pronto.

Já agora, e embora se tivesse tirado plo sentido, era "(...) mas mais verdade é que uma acção errada nos pesa para sempre".

PS - Faça-me o favor de apagar a minha correcção anterior, porque foi pior a emenda que o soneto, se não for muita a maçada. Bigada.

PPS - BJS
:-)

5:35 da tarde  
Blogger António said...

Curioso o que aconteceu hoje (10 de Agosto de 2006)em Londres!
Mais um episódio da guerra já em curso em várias frentes.
Alguém estará do lado islâmico?
Aposto que ninguém!

10:48 da tarde  
Blogger PF said...

Oh, lindo....que bom voltar a ler-te!
Pena que o tema seja uma triste realidade a que o Mundo assiste actualmente.
Bem, obvio que o teu mérito na escrita se revela da mesma forma soberda e intensa na vertente jornalística. Adorei ler o teu texto. Bem estruturado, com toda a lógica e bem argumentado.Se o Miguel de Sousa Tavares te descobre, ainda te convida a sair do país por se sentir ameaçado, heheheh.
Davas um belo comentador e porque não um escritor de crónicas num jornal ou revista? Podias ao menos pensar no assunto, boa? ;o)
Bom, e vou tomar uma banhoca, que o dia já começa a ficar quente.
Fiquei muito contente de ver que vltaste a publicar no teu blog. Ja tinha saudadinhasssssssssssssss!

CHUAC
Beijinhos Felinos

7:34 da manhã  
Blogger A. said...

...momentos em que o silêncio deve ser rasgado.

A.ntónio
saudades.voltei ontem da minha pausa.venho deixar-te o meu abraço.
Meu A.migo espero que estejas realmente bem.

a.na.

4:10 da tarde  
Blogger tb said...

António, meu amigo. Na guerra eu não tenho lados. São para mim demasiado incompreensíveis. Gastar tanta energia em coisas para a destruição do mundo e da humanidade...Gostei de te "ver" por aqui.
Beijinhos

12:55 da manhã  
Blogger Leonoretta said...

hoje o primeiro comentario no meu blog foi teu. agradeço as palavras sempre bonitas.
abraço da leonoreta

1:41 da tarde  
Blogger Eli said...

Saudações!

:)

12:34 da tarde  
Blogger H. Sousa said...

És mesmo louco e eu pensava que era só a fingir. Então tens coragem de defender semelhante coisa? Sabes aquela do doido que andava a passear uma escova de dentes presa a um cordel? Chega-se um médico do manicómio ao pé dele e diz: "Que lindo cão você aí tem!" E o doido responde: "Não é cão, é uma escova de dentes." O médico, atrapalhado, diz: "Tem razão! Ai a minha cabeça!" Volta-se o doido para a escova e diz: "Anda, Boby, já enganámos mais um."
Em resumo, concordo com tudo o que disseste.

10:56 da tarde  
Blogger António said...

Para "H. Sousa":
Obrigado pelo comentáro.
Não consegui escrever nos teus blogs porque aquilo pareceu-me um bocado confuso.

Abraço

8:38 da manhã  
Blogger amita I said...

Olá António
Como já te tinha dito andava curiosa em ler o teu texto. Felicito-te pela coragem em expor o teu ponto de vista sobre um conflito que nos afecta a todos, directa ou indirectamente. O que penso, creio já o saberes através de um mail que te enviei e que só foca um aspecto do mesmo, embora importante.
Foi bom reler-te num texto diferente e muito bem escrito.
Um bjinho, meu amigo, e aproveita bem a pausa.
Uma flor e um doce sorriso (quase...quase... me esquecia!) loool

6:30 da tarde  
Anonymous I said...

Mas eu sou judia e como tal, concordo em absoluto com o que escreveu.Um grande abraço.

2:41 da tarde  
Blogger A. said...

Meu doce e sempre a.migo
...deixo o meu a.braço,o meu beijo pra saberes sempre que não me esqueço de ti.
Dos meus primeiros
companheiros por estas bandas.

Até já.

11:44 da tarde  
Anonymous GR said...

António,

Passei para te desejar um bom fim de semana! O tempo está como tu tanto gostas, frio!

Bjs,

GR

2:28 da manhã  
Blogger Loucura said...

So para deixar um beijinho e dizer que voltei

11:43 da tarde  
Anonymous Avalon said...

È polémico mesmo, o tema. E discordo da tua opinião. Não a vou fundamentar, pq aí iria ter que escrever muito mais do que tu (já estiveste alguma vez em Israel? Sabes como era ANTES dos EUA se emiscuirem no assunto Médio-Oriente?)
Beijo

1:36 da tarde  
Anonymous Avalon said...

em tempo:
imiscuir.... :-)

4:23 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home