Eu sou louco!

Irreverência, humor, criatividade, non-sense, ousadia, experimentalismo. Mas tudo pode aparecer aqui. E as coisas sérias também. O futuro dirá se valeu a pena...ou melhor seria ter estado quietinho, preso por uma camisa de forças! (este blog está registado sob o nº 7675/2005 na IGAC - Inspecção Geral das Actividades Culturais)

A minha fotografia
Nome:
Localização: Maia, Porto, Portugal

terça-feira, agosto 29, 2006

Vinte e sete anos depois

29 de Agosto de 1979.
29 de Agosto de 2006.
Faz hoje vinte e sete anos que casei.
Tinha trinta anos.
Conheci a Maria Fernanda um ano antes, em Vila Praia de Âncora, terra natal de minha mãe, por coincidência.
Vi-a pela primeira vez sentada na areia da praia, com uma rapazito a brincar na água, junto dela, e pensei:
“ Que mulher fabulosa! Que sorte tem o tipo que é casado com ela!”.
E segui caminho.
Depois vi-a mais algumas vezes, mas já sem a criancinha. Isso aguçou a minha curiosidade. E quando surgiu a oportunidade, meti conversa.
Afinal o rapazinho sempre era filho dela; tinha acabado de se divorciar após pouco mais de um ano de casamento efectivo e mais uns quantos de separação enquanto tratava do divórcio.
Disse-me que o filho, o Mário Rui, quando os avós os tinham vindo visitar uns dias antes, quis voltar com eles. E para não ficar sozinha, já que tinha alugado um quarto, passado muito pouco tempo veio fazer-lhe companhia a prima Dalila.
A jovem mamã caiu-me no goto logo desde o início.
Não sei se foi amor à primeira vista ou não. Só sei que a partir do momento em que a conheci só estava bem na companhia dela. E passamos umas duas semanas bem agradáveis, os três, mais um mocinho que namoriscava a prima: o Vítor.
Eu era o único que tinha carro, um Fiat 127 branco, que nos foi bem útil para as movimentações, sobretudo nocturnas.
Também constatamos que tínhamos nascido na mesma rua (Oliveira Monteiro, ao Carvalhido), em casas que distavam cerca de cinquenta metros: eu em Janeiro, ela em Abril do mesmo ano. Mas nunca os nossos pais se tinham visto, conforme pudemos apurar mais tarde. Outra coincidência, embora seja também verdade que, passados dois anos do nosso nascimento, a família da Maria Fernanda foi viver para Leça do Balio, muito perto do conhecido mosteiro.
Terminadas as férias, a jovem, bela e sedutora mamã regressou a casa dos pais onde vivia com o filho desde a separação do primeiro marido.
Cerca de uma semana depois foi a minha vez de regressar a casa dos meus progenitores, que ficava no Porto, muito perto do já demolido estádio das Antas. Morava com eles.
Na altura tinha uma relação com outra rapariga que as circunstâncias fizeram com que se rompesse muito poucos dias depois.
E continuamos o nosso namoro até sentir, sem margem para dúvidas, que queria que ela fosse a minha mulher.
Daí a falar-se em casamento, decidir, tratar de arranjar casa, enfrentar algumas oposições pelo facto de ela ser divorciada e ter um filho, resolver mais um sem número de questões e colocar as alianças, tudo aconteceu muito rapidamente.
Ou seja, num ano.
Depois veio a vida em comum, momentos bons, momentos maus, situações de grande alegria e comunhão (como quando nasceu o nosso filho Fernando Miguel, mais de três anos após o matrimónio), outras de muito desacerto em que o casamento correu perigo.
Mas, curiosamente, era em momentos mais complicados como o falecimento dos meus pais e dos meus sogros, doenças ou situações de desemprego que a ligação se fortalecia.
Vinte e sete anos!
A paixão já passou há muito tempo, mas sobraram a amizade, as memórias, as cumplicidades, as coisas em comum, o hábito de contarmos um com o outro, a família.

O casamento perdura e penso que vai durar até que a morte nos separe.

42 Comments:

Blogger wind said...

Parabéns pelos 27 anos:)
Como escreveste e muito bem, que continue a amizade, o companheirismo, a afectividade, que é o mais importante:)
Beijos

2:56 da manhã  
Blogger zicacabral said...

Parabens Antonio , por esses 27 anos. Pois, as paixões acabam mas o amor, o respeito , a amizade permanecem porque já existiam e se foram consolidando ao longo dos tempo. Ainda bem que vcs conseguiram encontrar o equilibrio e a força necessárias para essa consolidação.
Um beijão para os dois, com muita amizade
Zica

5:23 da manhã  
Anonymous Fatyly said...

Como é bonito sentir que existe acima da amizade, carinho, amor...a vossa cumplicidade nesta tua narrativa.
Parabéns e façam-me um favor: SEJAM FELIZES. Beijo os quatro

9:39 da manhã  
Blogger Paula Raposo said...

E é assim. Sinteticamente se transporta para o monitor uma vida de 27 anos! Parabéns, pois o texto assim me leva a deduzir. Beijos para ti.

10:00 da manhã  
Anonymous hodiguitria said...

Muitos parabéns! Gostava de poder sentir o que está escrito neste texto daqui a alguns anos!... bjs ;)

10:39 da manhã  
Blogger António said...

Para "fatyly":
Obrigado pela visita e pelos teus votos.

Beijinhos

4:48 da tarde  
Anonymous tb said...

e parabéns ao casal que essa amizade e tudo o que cosntitui uma bela relação perdure enquanto a sentirem em unissono...
Bem vindo ao seio da blogosfera!!!
Beijinhos

5:06 da tarde  
Blogger nelsonmateus said...

gostei desta história contada na primeira pessoa ... parabéns aos dois!

1 abraço

5:10 da tarde  
Blogger guga said...

Muitos Parabéns António. O casamento é mesmo assim, feito de altos e baixos. No fim o que fica é a amizade e o poder contar com o outro.

Sandra

5:40 da tarde  
Blogger vab said...

Parabéns!
Também quero, também quero partilhar assim a minha vida!
Parabéns!

6:11 da tarde  
Anonymous GR said...

António,

Gostei muito do post.
Comparo o casamento, ao crescimento de um Carvalho. Vai crescendo lentamente, por vezes há troncos que se partem, alguns apodrecem, mas continuam a crescer folhas novas e sem nos apercebermos as raízes vão sendo cada vez mais fortes e fundas.
Só mesmo a morte, fará separar a terra do Carvalho!
Os anos passam a amizade reforça-se!
Não se vive uma vida inteira de paixões, mas sim de afectos!
Desejo que ambos sejam Muito Felizes!

Bjs,

GR

11:49 da tarde  
Blogger António said...

Para "GR":
Há muitos Carvalhos que se separam da Terra antes da morte.
Obrigado pelos teus votos.

Beijinhos

11:59 da tarde  
Blogger APC said...

Peça biográfica de uma transparência desconcertante e de uma sinceridade confortante.
Parabéns António e Maria Fernanda!
:-)

12:07 da manhã  
Blogger margusta said...

Meu querido António muitos PARABENS!!!...

Achei engraçadas as coincidências :)))

Lol...tambem nós temos coincidências nascemos em Janeiro e casamos em Agosto, eu fiz 22 anos de casamento no dia 11 .

Meu querido amigo desejo que continues feliz por muitos e muitos anos na companhia da Maria Fernanda ( lol..que tb é nome de uma irmã minha)

Beijinhos muitos para os dois!!!


Ps. Obrigada pelas multiplas visitas que me fizes-te..acho que 9..lol....fui compensada da ausência e todas elas tão positivas..lol..estou toda babada ;)

12:08 da manhã  
Blogger Caiê said...

António:
não sou uma rapariga lamechas mas isto tocou-me, pela sinceridade e franqueza. Em primeiro lugar, não tive presente o meu pai biológico na minha vida - fui criada pelos meus avós, pessoas incomparáveis e extraordinárias - e sei que, hoje e ontem, um homem que ama um filho "alheio" ainda é raro de se encontrar. Tiro-te o chapéu (se o tivesse, ah ah ah!). As pessoas dão demasiada importância ao sangue. Afinal, criar é amar.
Quanto à tua relação a dois... evidentemente, as paixões são efémeras, sem excepção. Se vivêssemos sempre em paixão, não se aguentava! Eh eh eh! Curioso verificar que, nos maus momentos, uma relação duradoura e forte, cresce ainda mais e sai mais madura. Diferente, mas unida. A vida a dois é feita, julgo eu, de muita coisa, mas possivelmente o mais importante é essa capacidade de união "a despeito de...". Parabéns! És casado há quase tanto tempo como eu sou viva! :)

12:27 da manhã  
Blogger APC said...

Hei, faltou dizer que se houvesses narrado o dia do próprio casamento nesse mesmo dia (se bem que tinhas mais que fazer;-) eu já te teria podido ler então... Ah, pois era! Mas por pouco, por pouco!... ;-)

3:40 da manhã  
Blogger nelsonmateus said...

por falar em doce ... a tua mulher é k deve ser 1 autêntico doce pra te ter aturado durante todos estes anos! eh! eh! eh! :P

10:12 da manhã  
Blogger APC said...

Caro António,
Um dia respondi-te a um comentário que me deixaste (mas não deves ter lido), qualquer coisa como: "vamos andar sempre a agradecer-nos visitas, ou podemos passar a presumi-las merecidas?...".
Por fim, como poderia eu ter nascido em 1979, se escrevi que nessa altura já te leria, se preciso fosse, hum...? ;-)
Ter-me-às trocado com a Caiê, porventura, que te disse "és casado há quase tanto tempo como eu sou viva!"?...
E disse-to exactamente para brincar; gosto de ver o que fazem as pessoas com um dado tão relativo, apesar de absoluto. ;-)
Um abraço! :-)))

3:37 da tarde  
Blogger Maria Clarinda said...

Parabéns!!!!Assim se constroi uma vida eu vou em 35, e espero mtos mais.
Jinhos

4:03 da tarde  
Blogger Bárbara Vale-Frias said...

Meu querido António, que bom vir aqui espreitar hoje e encontrar mais um relato verídico teu! E que relato! :)

Muitos parabéns por esses 27 anos de felicidade em comum :) Eu já vou em 4... qualquer dia, apanho-te! ;)

Nunca mais tive tempo para passear na blogosfera :( Muito, muito trabalho e um mestrado que me tem dado a volta à cabeça ;)

Mas fico satisfeita por ver que continuas pontual ao teu encontro com os leitores :) Muito bem!

Um beijinho enorme!

Bárbara (Cokas)

9:39 da tarde  
Blogger Ranhette du Nez said...

Non, Non,uahhhhh.
Je faires attention avec mes choses, je ne suis pas incompetent... je crois á las personnes. oh je suis rode´de mechants, sans couer...
Je negocier avec toi á la post de vendredi suivant.

Ranhette

8:56 da manhã  
Blogger Peter said...

Admiro o modo como expões a tua vida e permite que saliente a parte final:

"A paixão já passou há muito tempo, mas sobraram a amizade, as memórias, as cumplicidades, as coisas em comum, o hábito de contarmos um com o outro, a família."

5:19 da tarde  
Blogger lena said...

António ainda bem que voltas-te, ou melhor fui eu que voltei e vim ler-te
encantas-me como no inicio hoje li-te entre lágrimas de felicidade,

narras tão bem 27 anos da tua vida em comum e como me soube bem ler: "...mas sobraram a amizade, as memórias, as cumplicidades, as coisas em comum, o hábito de contarmos um com o outro, a família."

sim é o mais importante meu querido amigo António

perco-me nas tuas palavras, palavras que deixas e me fazem pensar...

um beijo meu. para ti, parabéns por esses 27 anos numa comunhão a dois e abraço-te com carinho como sempre

lena

6:43 da tarde  
Blogger Lowprofile said...

Esta é mesmo a história de uma Vida. A paixão e as experiências primárias parece que deram lugar a um doce e seguro amor. Lindo!
Parabéns pela união :)

Enche-me de esperança, no mês em que completo 1/4 de século de vida!
Obrigado pelo exemplo!

PS. Seja muito bem-vindo!

12:38 da manhã  
Blogger Papoila said...

Parabéna António! Pelo texto e pelos 27 anos decasamento Parabéns!
Neste texto sente-se emoção, afecto, afinidade, cumplicidade.
Beijos

4:21 da tarde  
Blogger heloisa said...

"O casamento perdura e penso que vai durar até que a morte nos separe."
*******************PARABENS AOS DOIS*! E, QUE OS CEUS OUCAM SEUS DESEJOS!_JUNTO MEUS VOTOS AOS SEUS_!!!

E... engracado, que a Vida tem coincidencias bem curiosas!_Bom texto, como sempre, mas mais importante que o tEXTO, sao os SENTIMENTOS QUE O ANIMAM!

_FELICIDADES!

PS: perdoe chegar em atraso, mas... chego e parto com o mesmo carinho fraterno!!!!!E... se nao for pedir muito... que possam comemorar as BODAS DE OURO_Se, as puderem viver em normal saude e, em bem-estar geral_!!!!!

Fica um abraco!

Heloisa.
************

5:33 da tarde  
Anonymous cinda said...

Ando sempre atrasada, caramba.

Parabéns ao casal pelos 27 anos mas acima de tudo pelo que se adivinha dessa vivência tão cheia de afecto e cumplicidade.

Um beijinho muito doce para cada um!

8:30 da tarde  
Blogger Sofia said...

Parabéns !! Lindo o seu texto, tão belo quanto o seu sentimento.
Abraços,

12:54 da manhã  
Blogger ARTEMINORCA said...

Muito real e muito bonita a tua história! Parabéns aos dois eternos amigos e companheiros!

1:10 da manhã  
Blogger PF said...

Sim senhor, António! Adorei o que li.`
É uma história bonita a vossa. Aquilo a que chamas coincidências eu diria que fazia parte...Acredito que nada é por acaso.
Fico feliz de ouvir um testemunho como o teu, em tempos que crucificam o casamento e promovem o divórcio desalmadamente.
É muito gratificante ler este teu pedaço de vida que nos faz continuar a acreditar que ainda é possível!
Continua sempre assim, lindo por fora e por dentro, na companhia dos teus mais queridos.
Beijão da tua kida tareca.
hihihih

10:11 da manhã  
Blogger Barricadas said...

Que lindo um casal que dura e perdura! Gostei. E adorei a simplicidade como é dito, a candura da forma. Bem haja quem assim se exprime e vive. Quase despertam inveja...
Vénias sinceras!

11:47 da manhã  
Blogger ana said...

Depois de ler este relato da vida... talvez volte a acreditar que estes encontros existem mesmo...

1:48 da tarde  
Blogger Ranhette du Nez said...

Je veux negocier mais je tiens pas 100 moedes d'or.
persone mas arranje pas.

mais une palavre d'honre.
si vous voulez...

Ranhette

5:02 da tarde  
Blogger Leonoretta said...

parabéns!
viver a dois vinte e quatro horas por dia é complicado e ultrapassar o meio século merece a publicação de um texto como este, expressão rara de um homem.

abraço da leonoreta

6:03 da tarde  
Blogger Laura Lara said...

Há muito que aqui não vinha. Ainda bem que o fiz hoje. O texto é lindo. A vida também pode sê-lo. E durar vinte e sete anos! Já é raro. Parabéns, António, e continua a somar anos de felicidade.
Beijinhos

11:41 da tarde  
Blogger Lya Flamel said...

Parabéns pelo 27 anos.
Vou te dizer uma coisa, ler uma história como a sua me motiva. Ta certo que eu só tenho 16 anos, e que namoro há 1 a no e alguns meses, mas eu tenho certeza que eu amo meu namorado e ele a mim.
Não é paixão, eu sei porque já fui apaixonada por ele e vejo a diferença. Também não é loucura da minha cabeça, se for estamos os dois loucos.
Bem é isso, Parabéns por tudo!

2:48 da manhã  
Blogger Ranhette du Nez said...

Oh mon dieu!
Je commence a perdre la confiance au humanité.
Quand nous trouvons le trésor je te donne la quantie que tu demande.
Tu besoins de confié á moi.

Ranhette

3:02 da tarde  
Blogger Menina_marota said...

Dizer-te o motivo da minha ausência, nos comentários dos blogues que mais gosto de visitar, será desnecessário, porque já passou o motivo que me levou a essa ausência forçada.

Mas não pude deixar de vir aqui dar-te os parabéns, por dois motivos:

1º. Pelo aniversário do teu casamento, desejando que dure muitos e felizes anos;

2º. Porque a singeleza do teu texto, esconde a profundidade que dele emana, a realidade que compõem a vida a dois.

Parabéns pois, pelo aniversário e pela forma como abriste aqui a tua alma.

“…A paixão já passou há muito tempo, mas sobraram a amizade, as memórias, as cumplicidades, as coisas em comum, o hábito de contarmos um com o outro, a família.
O casamento perdura e penso que vai durar até que a morte nos separe.”

A vida a dois é um mar que se conjuga, em mil afinidades…

Um abraço carinhoso a ti e à Maria Fernanda ;)

2:21 da tarde  
Anonymous Cris said...

Sem dúvida das histórias mais bonitas contadas por ti!
Passou a paixão? Nahhh!!!
Deu lugar a um amor (não fosse eu um coração de manteiga...rsss)
Transborda de ternura cada palavra que connosco partilhaste.
Não foi a tomar o pequeno almoço, a um sábado, meu Amigo Doce, que te "ouvi".
Foi agora, no final do jantar e nem tu sabes quanto me soube bem, quão bem me dispôs saber-te e ver-te feliz por recordares aquele belo ano! Bela casta, an?

Não tenho andado por aqui, estou a voltar devagarinho.
Tenho a minha sobrinha à porta da prova final, do transplante da medula, que vai ser este mês.
Andamos todos preocupadíssimos mas também cheiiinhos de energia positiva, que aquela miúda é uma Guerreira e vai vencer!
Eu volto sempre, tu sabes, não fosses tu o meu contador de histórias preferido.
Beijitos e parabéns pela vossa vida tão cheia!
Dá uma beijoca à Fernanda por mim, que ela merece, pois claro que sim!

Curioso!
Em 79 comecei a namorar o pai das minhas fiotinhas :-)
Estava no propedêutico, que "santa" irresponsabilidade de não fazer nenhum! EhEh (ai que saudade daquele tempo, António!!)

10:17 da tarde  
Blogger pinky said...

liiiiiiiiiiiiiiiiindo! era bom que toda a gente tivesse a tua sorte :)
jokas grandes de parabêns por anos sábiamente vividos.

2:46 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Uma verdadeira associação de socorros mútuos como todo e qualquer casamento.Agora,juntos até que a morte os separe.Se der uma pataleta a um,estará lá o outro.

11:09 da tarde  
Blogger amita said...

Que lindo, António! Tudo é lindo neste texto. Muitos Parabéns.
Um xi grande e uma bjoka para o casal

5:59 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home